Notícias

Centro de Tratamento Intensivo a pacientes com coronavírus é anunciado nesta quarta-feira, 25

Estrutura está sendo montada no Hospital e Maternidade Célia Câmara e conta com leitos equipados por camas, monitores e respiradores. Medida é resultado de ações que vêm sendo implantadas na capital com o objetivo de enfrentar a pandemia

Em visita ao Hospital e Maternidade Municipal Célia Câmara na manhã desta quarta-feira, 25, o prefeito de Goiânia, Iris Rezende, anunciou a implantação de novos leitos de tratamento intensivo equipados com monitores e respiradores na unidade, localizada no setor Vera Cruz I, na região Oeste da capital.

A maternidade conta hoje com 186 leitos e será transformada em um centro exclusivo de atendimento a pacientes infectados pelo coronavírus. O novo espaço começa a funcionar na próxima semana.

Conforme o prefeito Iris Rezende, o Hospital e Maternidade Municipal Célia Câmara, que ficou conhecido como Maternidade Oeste, está pronto para ser inaugurado, mas, segundo ele, o momento é de estruturar o município para tratar os possíveis novos casos graves. “Por isso, suspendemos a inauguração da maior maternidade do país e montamos,  provisoriamente, um Centro de Tratamento Intensivo aos pacientes que precisarem de leitos específicos com respiradores”, explicou o prefeito.

A decisão do prefeito foi tomada durante reunião por teleconferência com o presidente da República, Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e gestores de capitais brasileiras.

“Naquela ocasião, determinei à secretária de Saúde, Fátima Mrué, que preparasse a maternidade para receber, neste momento, pacientes com o novo coronavírus. Estamos agora ajustando os últimos detalhes e a partir da próxima semana pacientes que precisarem de leitos de UTI já terão aqui a disponibilidade”, pontuou Iris Rezende.

Já a secretária de Saúde, Fátima Mrué, disse que no primeiro momento serão 30 leitos disponíveis e, conforme a necessidade, a quantidade pode ser aumentada, afirmando que a unidade será referência e receberá pacientes que necessitarem de internação. “Portanto, esses pacientes terão o primeiro atendimento nas unidades básicas e, quando necessária a internação em leito de UTI, serão referenciados a medida da necessidade”, concluiu.

Gustavo Martins

Estagiário supervisionado pelo editor Jorge Borges

Related Articles