Quarta, 21 de Abril de 2021
21 de Abril de 2021
Publicidade

Amigos se unem nessa pandemia e gravam um curta metragem com qualidade surpreendente

Um esteticista, terapeuta holístico e um roteiro na cabeça. Estamos falando do Diego Ganu, que além das funções já citadas é o roteirista e produtor do curta metragem Olimpianos, que está sendo produzido na cidade de Anápolis com um grupo de 37 amigos, que resolveram apostar na obra que nasceu em meio a esse momento difícil que o mundo está vivendo com a pandemia do novo coronavírus. O elenco é formado por atores anapolinos, de Goiânia e Brasília.

“Era uma ideia muito antiga, mas que não dava mais para esperar, então mostramos que mesmo diante de momentos difíceis não podemos desistir”, conta Diego. Ainda segundo ele, para evitar contaminação foram adotados todos os protocolos de segurança com revezamento de gravações e poucos atores em cena, com uso de máscaras na maioria do tempo, álcool gel o distanciamento possível.

O curta

Olimpianos mergulha na mitologia grega e conta a história de uma reunião para comemorar a vitória dos deuses contra os titãs, conhecida como titanomaquia. Hermes fica responsável pela entrega dos convites.

A festa tem início, mas antes de todos os convidados chegarem Zeus tem que se ausentar da festa para receber o espírito de um grande herói grego que morreu em batalha. Após isso algo de ruim pode acontecer para acabar com o reinado olimpiano. “É um curta que pode ajudar muito nas aulas de história”, garante Diego.

A obra chama a atenção para o uso de poucos recursos, mas com uma qualidade impressionante. Parte das gravações foram realizadas com o chroma key verde. “Sempre tive esse sonho, um amigo usou meu espaço para gravar um curta eu vi aquilo e resolvi colocar minha ideia em prática, fiz um curso de edição, depois de reciclagem com atriz Karina Barum (atris de várias novelas) e a coisa foi acontecendo”, acrescenta o diretor.

Mas para que tudo saísse como planejado, assim como outros “guerreiros” do áudio visual em Goiás, Diego enfrentou a falta de incentivo e deve te bancar tudo do próprio bolso, além de contas com o trabalho voluntário dos amigos. O figurino, por exemplo, baseado nos personagens mitológicos foi costurado todo a mão pelo próprio Diego e as peças que compõem o cenário foram emprestadas por um antiquário de Anápolis. “Nesta reta final conseguimos alguns patrocínios que vão ajudar muito, principalmente na montagem do banquete, uma cena épica do filme”, comemora.

Sonho

O sonho com a sétima arte foi despertado em Diego ainda criança, quando morava numa fazenda em Anápolis, mas ele não teve apoio dos pais. “Eles falavam que aquilo não era profissão para homem”, revela.

Mas aos 14 anos ele escreveu o primeiro roteiro de Olimpianos para uma peça de teatro na escola, o tempo passou o rascunho ficou guardado na mente dele e aos 34 anos, Diego leva o sonho para milhares de pessoas. O curta já está sendo editado e renderizado e no finalzinho de março o público vai poder conferir o resultado impressionante do sonho desse garoto do interior de Goiás, que está pronto para ganhar o mundo.

Compartilhe este post: