Quinta, 29 de Julho de 2021
29 de Julho de 2021
Publicidade

Aos 87 anos, Iris atua para viabilizar o MDB de volta ao poder em 2026

Após seis derrotas eleitorais do partido para o governo de Goiás, o ex-prefeito e ex-governador prega “prudência” aos companheiros em defesa de lançamento de forte chapa para senador, deputados federal e estadual, em aliança com o DEM caiadista

Convencido de que falta ao MDB competitividade para enfrentar as urnas, na disputa pelo governo de Goiás, em 2022, o ex-prefeito e ex-governador Iris Rezende entrou em campo para defender o lançamento de nomes do partido para senador, deputados federal e estadual, mas consolidando aliança em torno da candidatura à reeleição do governador Ronaldo Caiado (DEM).

O primeiro passo concreto de Iris é atuar, esta semana, pela consolidação da candidatura de Daniel Vilela à presidência da Executiva estadual do MDB, na renovação do diretório, cuja convenção vai ocorrer nesta sexta-feira, 18, em Goiânia. O ex-prefeito retornou de sua fazenda, em Canarana (MT), para buscar votos em favor de Daniel, mesmo sendo o único nome lançado à presidência do partido.

Daniel Vilela, desde a morte de seu pai, o ex-governador e ex-prefeito Maguito Vilela, aliou-se a Iris Rezende na defesa da aliança do MDB com o DEM de Ronaldo Caiado, pregando o adiamento do lançamento de candidatura própria ao Palácio das Esmeraldas para as eleições de 2026. Daniel tem conhecimento da fragilidade eleitoral do MDB – apenas 29 prefeitos, quatro deputados estaduais, um senador (que não foi eleito, mas assumiu como suplente de Caiado) e nenhum deputado federal.

Nas conversas com aliados, Iris Rezende tem afirmado que uma aliança com Ronaldo Caiado beneficia o MDB na busca por cadeiras à Câmara Federal e à Assembleia Legislativa, pois o partido teria apoio da máquina administrativa e da maioria de prefeitos governistas. Na aliança com o DEM, o MDB poderá figurar na chapa majoritária, com o lançamento de candidatura ao Senado. Os nomes lembrados são os de Iris Rezende, Daniel Vilela e Luiz do Carmo.

Outra estratégia que une Iris e Daniel: impedir o ressurgimento do PSDB do ex-governador Marconi Perillo na política goiana. O MDB, ao longo das últimas décadas, tem se posicionado contrário aos governos tucanos e ao estilo marconista de governar. Assim, os líderes emedebistas rejeitam uma aliança MDB/PSDB para as eleições de 2022. Apenas o deputado Paulo Cezar Martins, atual vice-presidente estadual do MDB, e o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, defendem a candidatura própria do partido ao governo de Goiás.

Daniel e Iris acham que o MDB deve iniciar apenas em janeiro a discussão interna sobre o caminho a seguir nas eleições de 2022: coligação com o DEM ou lançamento de candidato próprio a governador. As sucessivas derrotas do MDB para o governo de Goiás, ocorridas desde 1998, estimulam as principais lideranças a se posicionarem contrárias à candidatura própria em 2022, temendo novo fracasso eleitoral, principalmente quando as pesquisas colocam o governador Ronaldo Caiado como favorito para a disputa sucessória estadual. “Não é hora de nova aventura eleitoral. O partido precisa agir com equilíbrio, sensatez e responsabilidade”, diz o deputado estadual Bruno Peixoto (MDB).

62 anos de carreira partidária e pública bem-sucedida em Goiás

Apesar de ter anunciado aposentadoria política no ano passado, Iris Rezende mantém sua energia mental e física, atuando como “conselheiro” daqueles que o procuram no escritório do Setor Marista, em Goiânia. Iris, na altura de seus 87 anos, pratica exercícios físicos em sua própria residência, na Capital, viaja com frequência para suas fazendas em Goiás e no Mato Grosso e cumpre compromissos informais, principalmente para receber homenagens.

Na vida pública, Iris se realizou, com inúmeros cargos públicos e eletivos: foi vereador em Goiânia, deputado estadual, quatro vezes prefeito de Goiânia, senador da República e duas vezes governador de Goiás. E ainda foi duas vezes ministro: Agricultura (Governo José Sarney) e Justiça (Governo FHC). Agora, teoricamente afastado da vida partidária e pública, Iris Rezende decidiu oferecer contribuição ao “ressurgimento do MDB” e ao projeto de reeleição do governador Ronaldo Caiado (DEM) ao pleito do ano que vem.

Adversários ao longo do tempo, Iris e Caiado se aproximaram em 2014, após o rompimento político do democrata com o então governador Marconi Perillo. Iris e Caiado formaram chapa majoritária própria: o primeiro disputou o governo de Goiás e o segundo, a vaga ao Senado Federal. A partir daí, seguiram juntos na política goiana. O emedebista foi eleito prefeito de Goiânia, em 2016, com o apoio do então senador.

Na Prefeitura de Goiânia, Iris estabeleceu parcerias administrativas com o governador Ronaldo Caiado a partir de 2017, beneficiando a cidade com projetos e obras. Agora, Iris se sente na obrigação de retribuir, ou seja, apoiar a reeleição do governador Ronaldo Caiado. “Diante da boa administração, por que não reeleger o governador?”, tem perguntado o líder emedebista.

Se depender de Ronaldo Caiado, Iris Rezende se “desaposenta” e disputa vaga ao Senado nas eleições de 2022, pela aliança MDB/DEM. Mas esse é um assunto que o MDB só deverá tratar a partir de janeiro do ano que vem. O certo é que Iris e Caiado atuam para que o MDB e o DEM estejam, mais uma vez, no mesmo palanque, fazendo oposição, principalmente, aos adversários de passado recente, como o PSDB marconista. O Palácio das Esmeraldas sabe que, ao atrair o MDB de Daniel Vilela e de Iris Rezende, estará dando um “golpe mortal” na já combalida oposição centro-liberal/direita de Goiás. (H.L.)

Compartilhe este post: