Segunda, 20 de Setembro de 2021
20 de Setembro de 2021
Publicidade

Brasil atinge 21 ouros e iguala à Londres 2012 como campanha mais dourada da história

Próxima meta é atingir o maior número de medalhas em uma única edição. Na Rio 2016, foram 72

Mais um feito histórico foi atingido pela delegação brasileira em Tóquio. Na manhã de sexta-feira, 3, o Goalball masculino e Thiago Paulino, do arremesso de peso, conquistaram os dois ouros que faltavam para o Brasil repetir as 21 medalhas douradas de Londres 2012. Foi o suficiente para o País igualar sua melhor campanha no lugar mais alto do pódio.
As medalhas vieram com o Goallball, onde o Brasil bateu a China por 7 a 2 e garantiu o título. Leomon e Parazinho, três vezes cada, e Romário lideraram a seleção para a vitória e a consequente medalha de ouro nas Paralimpíadas. Foram seis vitórias e apenas uma derrota na campanha. O País já era dono de dois títulos mundiais e, enfim, chega à medalha que faltava, foi prata em Londres 2012 e bronze na Rio 2016.
Thiago Paulino já era campeão mundial e dono do recorde mundial e agora também faturou a medalha de ouro nos Jogos Paralímpicos. Ele lançou para 15.10m para desbancar o chinês Wu Guoshan e ficar na primeira colocação. Na mesma prova, Marco Aurélio Borges ficou com o bronze.
O dia em Tóquio ainda rendeu outras quatro medalhas para o Brasil: a prata na canoagem velocidade com Luis Carlos na categoria 100km KL1; bronze no lançamento de disco F37 com João Victor Teixeira; bronze na natação com Wenedell Belarmino nos 100m borboleta S11 e outro bronze com Silvaba Fernandes no taekwondo k44 até 58kg. O País ocupa atualmente a 7ª posição no quadro de medalhas.
Nesta Paralimpíada, o Brasil também ultrapassou a marca de 100 medalhas de ouro na história dos Jogos. A centésima medalha veio no atletismo, com Yeltsin Jacques, que venceu a prova dos 1.500m em Tóquio com direito a recorde mundial. O Brasil está entre as 20 nações que mais subiram no pódio em toda a história do evento.

Compartilhe este post: