Terça, 21 de Setembro de 2021
21 de Setembro de 2021
Publicidade

Campanha Setembro Dourado chama atenção para câncer infantojuvenil

Pediatria do Araújo Jorge destaca importância do diagnóstico precoce diante da principal causa de morte entre crianças e adolescentes

A dificuldade de acesso a tratamento especializado faz com que a taxa de mortalidade do câncer infantojuvenil no Brasil seja o dobro da de países desenvolvidos, representando hoje a principal causa verificada de morte entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos. A afirmação é de um recente levantamento feito pelo Instituto Desiderata, que destaca ainda a falta de informação como principal causa dos diagnósticos tardios, o que diminui consideravelmente as chances de cura da doença. Aliado a isso, no mês de conscientização sobre os tumores que atingem mais de 10 mil crianças e adolescentes por ano, o Hospital de Câncer Araújo Jorge aponta outro grande desafio da área: a complexidade da identificação das neoplasias, cujos sintomas se assemelham muito aos de outras doenças comuns da infância.

Não por acaso, a principal, e mais poderosa, forma de prevenção ao câncer infantojuvenil é a ida regular ao médico. “É fundamental que os pais e cuidadores levem as crianças ao pediatra periodicamente. É ali, no consultório, que conseguimos descobrir um câncer ainda no início do seu desenvolvimento, diagnosticando, por exemplo, um sarcoma, grupo de tumores raros que geralmente atingem os ossos, a partir de uma simples dor na perna. Essa descoberta precoce, muitas vezes, vai representar um índice de cura de até 90%”, pontua a pediatra cancerologista Elecy Messias de Oliveira.

Integrante da equipe de Oncologia Pediátrica do Araújo Jorge, ela lembra que durante muito tempo o câncer na infância foi um assunto temido e evitado, “como se o silêncio afastasse a possibilidade do diagnóstico positivo”. A médica afirma que, recentemente, o cenário tem mudado, mas ainda é preciso estimular o diálogo sobre a doença, que representa de 1% a 3% de todos os casos de câncer diagnosticados no País, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

 

Único com tratamento integral a crianças

Em Goiás, o Araújo Jorge é o único Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon), o que significa que oferece tratamento integral ao paciente com câncer. Na Pediatria, por exemplo, só em 2020 foram 4.831 consultas, 160 cirurgias e 672 pequenos procedimentos, 7.652 doses de quimioterapia e 1.051 internações. “O número poderia ser muito maior, não fosse a falta de informação, afinal, ninguém fica alerta diante do perigo que não conhece e, por falta de instrução, pode acabar não dando a devida importância a sintomas que parecem inofensivos. Isso sem contar a verdadeira via-crúcis que mãe e pai precisam percorrer até chegar a um hospital especializado, realidade que torna urgente a implementação de políticas públicas por parte das autoridades de saúde”, pontua a pediatra cancerologista Elecy Messias de Oliveira.

 

Perfil

Nas crianças e adolescentes, os cânceres mais frequentes são as leucemias, os tumores do sistema nervoso central e os linfomas. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, a doença, comparativamente com a neoplasia do adulto, cresce quase sempre rapidamente, é geralmente mais agressiva, mas responde melhor à quimioterapia. “O grande problema, assim como em todas as áreas da oncologia, é que muitos meninos e meninas chegam nos centros especializados, como é o caso do Araújo Jorge, com tumores bastante avançados, quando a resposta diante do tratamento já não é a mesma”, alerta Elecy.

Compartilhe este post: