Domingo, 07 de Março de 2021
07 de Março de 2021

Candidatura a governador em 2022 é “ouro de tolo”

Assessores e aliados defendem Gustavo Mendanha como candidato do MDB em 2022, mas isso é simplesmente impossível

Não existe a menor possibilidade de uma candidatura do prefeito de Aparecida Gustavo Mendanha a governador, em 2022, representando o MDB. A vaga pertence ao presidente estadual do partido Daniel Vilela e mesmo assim ainda depende da evolução da política estadual nos próximos meses, que pode evoluir para uma composição dos emedebistas com o governador Ronaldo Caiado e o DEM, com a montagem de uma chapa com Caiado disputando a reeleição e Daniel Vilela o Senado.

Gustavo Mendanha, catapultado para a política pelo então prefeito de Aparecida Maguito Vilela, que o lançou para a sua sucessão em 2016 e bancou a campanha, tem um dever de lealdade com Daniel Vilela, herdeiro político de Maguito e não poderia jamais confrontá-lo dentro do MDB em uma disputa interna pela candidatura a governador ou por qualquer outra posição.

Mas não é só isso. Gustavo Mendanha ainda é um nome restrito a Aparecida, com alguma repercussão em Goiânia depois de participar intensamente da campanha de Maguito à prefeitura em 2022 e pela vizinhança entre as duas cidades, mas ainda longe da necessária estadualização para chegar a disputar eleições majoritárias como a do governo do Estado ou do Senado. Fora de Aparecida, o prefeito é pouco conhecido.

Existe hoje um oba-oba em torno da candidatura a governador de Gustavo Mendanha, alimentada e estimulada dentro do seu círculo mais próximo de aliados políticos – todos, a propósito, na folha de pagamento da prefeitura. Há uma disputa entre eles para ver quem fica melhor aos olhos do prefeito e se habilita a mais vantagens, desde salários privilegiados até apoio para a sua futura sucessão ou para disputar uma vaga na Assembleia. 

A candidatura a governador do prefeito de Aparecida, portanto, é “ouro de tolo”, expressão muito usada no passado que deu origem a uma música de sucesso de Raul Seixas e que, no geral, significa algo que parece ter valor, mas na verdade não tem. No mundo real, o futuro político de Gustavo Mendanha deve enfrentar complicações. Ele termina o seu segundo mandato na prefeitura aparecidense em 2024 e vai para a planície, ficando sem mandato e sem a força da máquina administrativa do município até as eleições de 2026, quando poderá disputar uma cadeira na Assembleia, quem sabe, mas muito mais difícil, na Câmara dos Deputados. 

Da Redação

Compartilhe este post: