Aparecidadestaques

Cerca de 8% das mortes por Covid-19 em Goiás são de Aparecida

Goiás atingiu na sexta-feira, 30, a triste marca de 15.000 mortes por Covid-19. Desse total, 7,85% é de Aparecida de Goiânia, que já alcançou 1.178 registros de óbitos em decorrência da doença, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO). De acordo com a pasta, 551.919 goianos testaram positivo para a doença e, desse cálculo, 10,96% são aparecidenses, que tiveram 60.503 registros de casos. Em quatro meses de 2021, pandemia do novo coronavírus ceifou a vida de 588 aparecidenses.
A SES-GO informa que, de 551.919 casos, 525.167 goianos estão recuperados. No Estado, há 435.130 casos suspeitos em investigação. Já foram descartados 267.049 casos. A taxa de letalidade em Goiás é de 2,72%. Há 300 óbitos suspeitos que estão em investigação.
De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Aparecida de Goiânia, até as 17h da última quinta-feira, 29, o município possuía 859 casos ativos, que estão hospitalizados ou monitorados pela Telemedicina, oxímetros e exames. De 62.089 casos confirmados, 60.071 estão recuperados e 1.159 vieram a óbito por Covid-19, com sete confirmados nas últimas 24 horas. Conforme a SES-GO, Aparecida de Goiânia tem 10.464,41 casos por 100 mil habitantes e 203,74 óbitos por 100 mil habitantes.
Baseado nas informações da SES-GO, a média de mortes diárias em Aparecida no mês de abril foi de 7,9, um pouco menor do que em março, quando foram registradas 8,3 mortes por dia. Nesse mês, a SMS de Aparecida de Goiânia comprovou três casos de reinfecção pela Covid-19. Segundo a pasta, os pacientes tiveram a doença duas vezes em um intervalo superior a 90 dias. Dois deles foram reinfectados pela variante P1, identificada pela primeira vez em Manaus, no Estado do Amazonas.
De acordo com a secretaria, o primeiro caso trata-se de um idoso de 60 anos, hipertenso, que foi assintomático no primeiro episódio e que 94 dias depois testou positivo mais uma vez para o novo coronavírus, apresentando sintomas como perda de olfato e paladar. Conforme a SMS, esse caso ocorreu em 2020 e as variantes são consideradas de menor preocupação.
O segundo caso comprovado refere-se a uma moça de 25 anos, com bronquite, que se reinfectou em um intervalo de 188 dias, o que é equivalente a pouco mais de seis meses. O terceiro registro é de um jovem de 25 anos, sem comorbidades, que se infectou novamente após 225 dias, ou seja, em torno de sete meses. A secretaria disse que os dois últimos relataram sintomas mais leves na segunda vez em que manifestaram a doença e ambos foram reinfectados pela variante P1.
Diretora de Avaliação de Políticas de Saúde e responsável pelo programa de sequenciamento, Érika Lopes explicou que não foram identificadas variantes da Covid-19 nos materiais de 2020 que foram analisados. Já nas amostras coletadas este ano, 58,8% foram infectados pela variante P1 e 3,9% pela variante B.1.1.7, detectada no Reino Unido em setembro de 2020.
Ela explicou ainda que, dos 22 pacientes com menos de 60 anos e sem comorbidades que desenvolveram formas graves e precisaram de internação em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), 19 foram infectados por uma dessas duas variantes, que, juntas, foram responsáveis pela contaminação de 86,3% dos pacientes desse grupo estudado.
A diretora destacou que o sequenciamento genético é importante para relacionar os dados obtidos com as informações epidemiológicas dos pacientes para tentar entender melhor a dinâmica de evolução e dispersão do vírus e monitorar as variantes. Ela disse ainda que os dados são preocupantes.
“Essas são variantes consideradas de preocupação, que são monitoradas internacionalmente, inclusive. É preciso esclarecer que enquanto o Sars-CoV-2 estiver circulando, infectando e reinfectando pessoas, ele sofre mutações. Esse é um processo natural da replicação do vírus. Algumas dessas mutações podem garantir um maior poder de adaptação, gerando novas linhagens mais infectantes, letais ou com escape imunológico”, disse.

Você pode se interessar:

Comments are closed.

Mais em:Aparecida