Quinta, 17 de Junho de 2021
17 de Junho de 2021
Publicidade

Com o HMAP em crise, prefeito Gustavo Mendanha está em SP à procura de uma OS para administrar o hospital

Parece resolvido: a prefeitura de Aparecida vai mesmo abrir chamamento para substituir a organização social Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar – IBGH na administração do Hospital Municipal – HMAP. Com o objetivo de sondar alternativas para a gestão do hospital, o prefeito Gustavo Mendanha (MDB) e o secretário municipal de Saúde, Alessandro Magalhães, viajaram a São Paulo, para contatos com as direções do Hospital israelita Albert Einstein e do Hospital Sírio-Libanês, que poderiam vir a assumir o HMAP através dos modelos de coadministração que oferecem.


O IBGH passou por uma série de problemas, envolvido em irregularidades que entraram no alvo de investigações policiais e também atrasando o pagamento de funcionários e fornecedores, o que levou a prefeitura a intimar a OS e a decidir pela sua substituição.


No momento, através do IBGH, o hospital municipal custa R$ 12 milhões por mês para a prefeitura, sendo que R$ 2 milhões representam um aporte extra destinado a cobrir os custos gerados pelo combate à pandemia provocada pela Covid-19. Especialistas apontam que, caso o Albert Einstein ou o Sírio Libanês assumissem a gestão do HMAP, esse valor seria no mínimo triplicado, dada a elevada qualidade oferecida pelos dois estabelecimentos.


O IBGH já informou à prefeitura de Aparecida que não tem interesse em continuar gerenciando o hospital municipal, cuja administração se dispôs a fazer por mais 6 meses, apenas, enquanto seriam tomadas as providências burocráticas e jurídicas para a contratação de um novo sistema de gestão.
Servidores da Saúde municipal, em Aparecida, defendem que a prefeitura retome o controle direto do HMAP e promova concurso para contratar um quadro de pessoal em caráter efetivo, além de licitar os contratos para a prestação de serviços especializados, com os de UTI, e a compra de insumos médicos.

Compartilhe este post: