Segunda, 20 de Setembro de 2021
20 de Setembro de 2021
Publicidade

Coronel afirma que vai permanecer em silêncio em relação a todos os temas que podem implicá-lo

RAQUEL LOPES E RENATO MACHADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Ao contrário da maior parte dos depoentes anteriores, o tenente-coronel Hélcio Bruno afirmou que vai se reservar o direito ao silêncio para toda e qualquer pergunta relacionada aos temas Instituto Força Brasil (que preside) e seus membros; à Senah (Secretaria Nacional de Ajuda Humanitária), entidade fundada pelo reverendo Amilton Gomes de Paula, que já depôs na CPI; à fake news; e também à sua quebra de sigilo.

O tenente-coronel obteve um habeas corpus que garante seu silêncio.

Por outro lado, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), reagiu e afirmou que a Mesa diretora do colegiado tem uma visão diferente da afirmada.

“Sua interpretação é uma, e a Mesa [diretora da CPI] tem outra interpretação”, disse.

Após a recusa da diretora da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, em responder perguntas, por estar em posse de um habeas corpus, a CPI questionou o STF sobre qual seria o limite dessa proteção. Em sua manifestação, o ministro Luiz Fux informou que cabe à comissão definir se os depoentes abusam do direito ao silêncio.

Desde então, nenhum depoente deixou de responder perguntas.

Compartilhe este post: