Goiás

Desgastados, Marconi e Eliton aprofundam racha dos tucanos

Da redação

 

O PSDB goiano, comandado pelos ex-governadores Marconi Perillo e José Eliton, chegou às prévias rachado, o que compromete ainda mais a tão sonhada unidade interna para enfrentar as urnas nas eleições de 2022. De um lado, Perillo é grato ao governador João Doria pelo apoio que sempre recebeu na militância interna do PSDB nacional: de outro, Eliton aposta na renovação política, com apoio ao governador Eduardo Leite.

Os demais convencionais tucanos goianos, como o deputado federal Célio Silveira, os cinco deputados estaduais e os ex-presidentes da legenda Giuseppe Vecci e Jônathas Silva também se dividiram nas prévias, entre Doria e Leite. Perillo e Eliton não conseguem falar a mesma língua nos apoios e nas estratégias do PSDB goiano. Eliton chegou a defender aliança dos tucanos com o PT, em apoio à campanha de Lula à presidência da República. Já Perillo quer distância do ex-presidente, seu desafeto político.

O PSDB de Goiás não consegue mobilizar a opinião pública em torno de nomes competitivos para governador e senador às eleições de 2022 desde que sofreu derrotas profundas em 2018 e 2020. Os tucanos têm dificuldades para formar chapas para as eleições proporcionais (deputado federal e estadual), o que poderá comprometer uma eventual eleição de Marconi Perillo para o Congresso Nacional.

Enquanto isso, o PSDB continua sob fogo cerrado do governador Ronaldo Caiado. Ao lado da advogada Ana Paula Rezende, filha do ex-prefeito de Goiânia e ex-governador Iris Rezende, durante a abertura do Mutirão Iris Rezende em Goiânia, no sábado, 20, Caiado fez um discurso em defesa do legado do líder emedebista, adversário ferrenho dos tucanos. O governador lembrou que manterá o exemplo de Iris na vida pública. Uma passagem do discurso serviu para se diferenciar da gestão tucana: “Eu e Iris já perdemos eleição, sim, mas jamais mudamos de Goiás.”

Sem citar nomes, o governador se referiu ao ex- governador Marconi Perillo (PSDB), que se mudou para São Paulo logo após a derrota que sofreu na disputa ao Senado, em 2018. O governador justificou as críticas que faz aos gestores do passado, que deixaram Goiás em situação de inadimplência de mais de R$ 20 bilhões. “Mas dizem: ah… Caiado é muito duro… Eu sou duro é com a bandidagem que roubava o Governo de Goiás e depois se fazia de boazinha.” (H.L.)

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo