Segunda, 20 de Setembro de 2021
20 de Setembro de 2021
Publicidade

Durante colheita do milho safrinha, Caiado garante suporte para logística e novos investimentos

Região é referência no uso da tecnologia aplicada ao campo, com geração de 5,5 mil empregos diretos e 10 mil indiretos. Goiás já ocupa terceira posição no País no que se refere à produção de milho, com participação de 9,3% do total

Durante a colheita do milho safrinha em Água Fria de Goiás, ontem, 18, o governador Ronaldo Caiado garantiu que o governo estadual dará o suporte necessário para melhorar a logística e gerar novos investimentos no Nordeste Goiano. “Peço que tragam a industrialização pra cá. Isso é fundamental para nós. Da minha parte, tenho trabalhado para trazer saúde, segurança, novas pontes e rodovias”, elencou ao incentivar produtores da região a investir cada vez mais em tecnologia.

No município, Caiado também vistoriou uma unidade de beneficiamento de semente de soja livre de transgênicos e formalizou o projeto para pavimentação de um trecho da GO-237. A agenda foi conduzida pela Associação dos Produtores Rurais do Alto Jacuba (Apraj). “Goiás gera riqueza, alimento, produção agrícola e tecnologia para o mundo”, afirmou o governador.

Ao lado do prefeito Doutor Eduardo, Caiado conheceu as instalações da Fazenda Primavera, do Grupo Quati, onde o plantio de soja e milho ocorre em cerca de 3,5 mil hectares. Atualmente é feita a colheita do milho safrinha, expressão utilizada para o milho de segunda safra. Essa técnica, logo após a cultura da soja, apresenta crescimento na região Nordeste e fomenta o uso de tecnologias de ponta. “Estamos aqui para mostrar a toda a população urbana que nós já chegamos num grau de sofisticação na agricultura que faz de Goiás referência mundial”, sustentou o governador.

A região onde fica a fazenda produz cerca de 300 mil toneladas de soja por ano, entre setembro e fevereiro, além de outras 450 mil toneladas de milho, entre fevereiro e agosto. O plantio abrange aproximadamente 80 mil hectares. Os produtores locais também investem em feijão, trigo, sorgo, batata, cebola, alho, café, entre outros itens. Dados da Apraj apontam que a produção agrícola da região foi responsável pela geração de 5,5 mil empregos diretos e 10 mil indiretos.

 

Liderança

Segundo o prefeito de Água Fria de Goiás, a produção agrícola no município não só coloca a região numa posição de destaque na produtividade do ranking nacional, como também ajuda no desenvolvimento da cidade. Em seu discurso, ele agradeceu a parceria com o governo de Goiás. “Em breve faremos a entrega das 62 moradias, da GO-230, e da ponte sobre o Rio Mangabeira. Tudo isso em parceria com o governo de Goiás”, disse.

O deputado federal Célio Silveira, que acompanhou a comitiva ao município, reforçou a parceria dos poderes Legislativo e Executivo para a ampliação de ações que beneficiem a população urbana e o setor agrícola. Na visita, o parlamentar parabenizou o trabalho do governo de Goiás. “Caiado chega numa região para ouvir e tentar ajudar nas dificuldades”, apontou.

Durante a solenidade para apresentação dos dados de produção da localidade, o governador foi homenageado pelo presidente da Apraj, Fábio Maschke. A entidade também realizou a doação de 700 cestas básicas para a campanha de proteção às famílias vulneráveis liderada pela Organização das Voluntárias de Goiás (OVG).

O proprietário da Fazenda Primavera, Luiz Fiorese, chega a produzir 12 mil toneladas de soja convencional. Segundo o produtor rural e membro da Apraj Sérgio Zimmerman, a localização estratégica do Estado, a qualidade do solo e o clima da região são fatores que colocam Goiás na vanguarda da produção agrícola nacional. “É um lugar de multiculturas. Aqui se produz soja convencional, soja transgênica, milho e milho semente. É um Estado com muito potencial”, avaliou.

 

Mercado europeu

O governador também conheceu a unidade de processamento de sementes de soja livres de transgênicos. A estrutura produz uma média de 12 mil toneladas a cada safra, direcionadas a quem planta produtos orgânicos. Segundo produtores locais, 80% das sementes de soja vão para o Mato Grosso, 10% ficam em Goiás e 10% são destinadas a Minas Gerais.

O cultivo é voltado para fins de exportação, com foco principal no mercado europeu. Atualmente, de 8% a 10% da soja produzida em Goiás é livre de transgênico, o que demonstra o crescimento da demanda por esse tipo de grão. A unidade de beneficiamento de sementes (UBS) foi a primeira no mundo a obter certificação, conforme dados da Associação dos Produtores Rurais do Alto Jacuba.

 

Produção

Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indicam que Goiás é o terceiro maior produtor de milho do País. A última safra (2019/2020) alcançou a marca de 12,6 milhões de toneladas, com produtividade de 6,6 toneladas por hectare. O levantamento consta na 2ª edição da Radiografia do Agro em Goiás, publicação da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com dados disponibilizados até dezembro de 2020. As exportações do produto goiano geraram US$ 663 milhões somente no ano passado.

Já em relação à soja, o Estado também é o terceiro maior produtor nacional. Na safra 2019/2020, foram mais de 13,1 milhões de toneladas em mais de 3,5 milhões de hectares. São mais de 7,8 mil estabelecimentos rurais produtores do grão em 207 municípios. Em 2020, as exportações da soja goiana geraram US$ 3,2 bilhões.

 

Compartilhe este post: