Quinta, 05 de Agosto de 2021
05 de Agosto de 2021
Publicidade

Editorial do Diário de Aparecida: Cidade desinteligente

Uma erosão que engolia carros em uma rua da Vila Oliveira foi prontamente eliminada ontem, 15, tão logo o vídeo feito por um morador indignado foi postado pelo Diário de Aparecida em nosso perfil no Instagram. Máquinas da prefeitura apareceram do nada para resolver um problema que há semanas afligia a vizinhança, cansada de formalizar reclamações nos órgãos próprios da Prefeitura de Aparecida.
Bom para todos os que, na Vila Oliveira, sofriam com a má conservação da rua. Porém, ruim para a população aparecidense, no geral, ao mostrar que as autoridades municipais não têm um senso de rotina para o cumprimento das suas obrigações. Nesse episódio em questão, a obrigação de manter trafegáveis as ruas, em especial dos setores que aguardam o prometido benefício do asfalto – que o prefeito Gustavo Mendanha garantiu na campanha do 1º mandato que levaria para todas as regiões, repetindo depois quando pedia votos para o 2º mandato, mas até agora sem providências efetivas.
Uma “cidade inteligente”, como apregoa o marketing de Mendanha, deveria dispor de canais de recepção para as demandas da sociedade em todas as suas faixas econômicas, mas principalmente quanto a quem reside nos bairros mais longínquos que ainda não receberam conquistas civilizatórias como a pavimentação das vias, a água tratada ou a iluminação pública. Além disso, equipes de socorro e resolução das questões mais urgentes, se Aparecida fosse como o prefeito diz que é, precisariam estar a postos para intervir prontamente e eliminar as adversidades que aborrecem e prejudicam a vida cotidiana das aparecidenses e dos aparecidenses, como foi o caso, por exemplo, da erosão na Vila Oliveira.
Há um descompasso entre a imagem que a prefeitura vende de Aparecida e a realidade que está à frente de todos. É preciso fazer com que a propaganda corresponda à verdade dos fatos. Do jeito como as coisas andam, hoje, as cidadãs e os cidadãos do nosso município acabarão concluindo que habitam em uma corrutela.

Compartilhe este post: