Notícias

Educação segue planejamento responsável para segundo semestre

As aulas presenciais seguem suspensas, seguindo orientações e determinações das autoridades sanitárias. O que não significa, contudo, que a Educação tenha parado! Instituições da Rede Municipal de Ensino (RME) se organizam, pedagógica e administrativamente, para atendimento aos alunos e comunidade escolar. Isso inclui planejamento pedagógico, sistematização do cronograma de entrega dos kits de merenda escolar e confirmação de matrículas.

É fato que a pandemia da covid-19 construiu um cenário abrupto e atípico em todas as áreas e isso requer constantes adaptações por parte das equipes gestoras, em razão da dinamicidade que a própria evolução epidemiológica promove. Sempre atenta em priorizar o atendimento de qualidade aos alunos da RME, a Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) deu início ao segundo semestre de 2020 com planejamento pedagógico e orientações direcionadas a todas as instituições.

As duas primeiras semanas de agosto têm sido dedicadas a reuniões virtuais com o coletivo escolar, direcionando como será o atendimento pedagógico no semestre. Nelas, também é decidido acerca do funcionamento administrativo de cada instituição. As duas decisões são intrínsecas, uma vez que as aulas hospedadas em ambiente virtual de aprendizagem têm início previsto para a segunda quinzena do mês e, para acessá-lo, o aluno deve ser vinculado a uma instituição de ensino da Rede.

Ainda no que toca às questões de planejamento, a SME deu início, na última semana, aos repasses provenientes do Programa de Autonomia Financeira da Instituição Educacional (Pafie) às escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (Cmei). Deste modo, de forma democrática e transparente, a instituição precisa definir onde cada valor será aplicado. Ainda, a partir do dia 10, começa a nova remessa de distribuição dos kits de merenda, seguindo cronograma preestabelecido.

Atendimento pedagógico

A adaptação ao “novo normal”, obviamente, tem gerado dúvidas e inseguranças, especialmente no contexto educacional. De repente, alunos e professores se viram inseridos em uma rotina virtual decorrente da necessidade do distanciamento social. Por isso, as instituições vêm se reunindo, graças aos meios tecnológicos, com o corpo docente, a fim de compreender seus anseios e ouvir propostas para os próximos meses.

Márcia de Sousa, diretora da EM Rui Barbosa, explica como é – e seguirá sendo – esse contato com os professores lotados na instituição. “Semanalmente, serão realizadas reuniões virtuais coletivas e individuais, nas quais acompanharemos a frequência dos alunos, construção de conteúdos, além de trocar experiências”, detalha. Segundo ela, o objetivo maior desses encontros é melhorar o trabalho pedagógico. E quanto às famílias?

Márcia esclarece que o contato com as famílias é feito pelas redes sociais da escola, bem como WhatsApp. Neste semestre, a instituição planeja realizar reuniões não-presenciais com pais e responsáveis a partir da segunda quinzena de agosto. Assim, repassa “orientações acerca dos novos atendimentos e, claro, promove o acolhimento às famílias”, aponta.

Atendimento administrativo

Com a suspensão das aulas presenciais, consequentemente, o atendimento administrativo à comunidade, como emissão de documentos, foi concentrado na Sede da SME. Agora, as instituições devem proceder com o atendimento direto, incluindo a confirmação de matrículas solicitadas desde março e efetivação dos pedidos de transferência. Assim, foi organizada a escala de revezamento para os servidores administrativos.

Na EM Rui Barbosa, primeiro, foi feito o levantamento dos servidores que compõem o grupo de risco, conforme o decreto 751/2020. Depois, foi montada a escala, distribuindo os servidores administrativos por turno, evitando aglomeração. “Estamos retornando com todos os cuidados necessários, respeitando os protocolos de segurança, com EPI’s e mantendo o distanciamento social. Assim, atendemos as necessidades da comunidade”, explica Márcia.

A mesma organização é feita no Cmei Goiânia Viva, conforme detalha a coordenadora pedagógica, Kênia Vieira. Lá, o funcionamento foi organizado de forma a reduzir a quantidade de servidores por turno, também dispensando aqueles enquadrados no grupo de risco. Vale lembrar que o cronograma para atendimento em todas as instituições está sendo planilhado e informado à comunidade escolar, organizando a solução das demandas.

Os cuidados são redobrados na distribuição dos kits de merenda, cuja entrega tem início já no próximo dia 10. No Cmei Goiânia Viva, o cronograma começa na quarta-feira, 12, e as crianças de cada agrupamento têm seu próprio horário. Mas, a transparência nesse contato com a comunidade vai além do atendimento e entrega dos kits. As instituições receberam os recursos provenientes do Pafie, mas tudo deve ser discutido antes de definir onde cada valor será aplicado.

“Tudo é resolvido junto ao Conselho Gestor, cuja composição tem representantes administrativos e docentes, e Conselho Fiscal, também composto por pais”, esclarece Kênia. Em reuniões virtuais, os membros discutem quais são as prioridades e que bens devem ser adquiridos, com todas as decisões lavradas em ata. O procedimento é igual na EM Rui Barbosa, onde “conselho escolar, conselho gestor e comunidade decidem juntos no que aplicar tal recurso”, frisa Márcia, diretora da unidade.

Planejamento

As expectativas e ansiedades acerca das ações para o semestre que se inicia são altas, naturalmente! Na EM Rui Barbosa, o objetivo é seguir desenvolvendo atividades inseridas em temas relacionados aos projetos da escola, de forma que eles façam parte das aulas remotas e mantenham-se em movimento. “Como parte do nosso projeto institucional, realizar uma atividade virtual em culminância do Projeto Folclore”, conta Márcia.

Mayara Ferreira

Estagiária supervisionada pelo editor Jorge Borges

Arquivos relacionados