Domingo, 20 de Junho de 2021
20 de Junho de 2021
Publicidade

Gilberto da Mega cobra melhorias em feiras de Aparecida de Goiânia

Pré-candidato a vereador e defensor das causas do segmento ressalta que o município cobra valores altos e, ao mesmo tempo, oferece pouco retorno aos feirantes. E afirma que retomada das atividades não soluciona problemas históricos

Feirantes de Aparecida de Goiânia, que estavam parados desde o início da pandemia pelo novo coronavírus, devem retomar as atividades agora que o prefeito Gustavo Mendanha autorizou o escalonamento entre todas as categorias de comércio no município. Porém, a retomada das atividades não soluciona problemas que, para o comerciante Gilberto da Mega, são históricos.

Ele, que é pré-candidato a vereador, e defensor das causas do segmento, ressalta que o município cobra valores altos e, ao mesmo tempo, oferece pouco retorno aos feirantes. “Percebo feiras sem banheiros químicos, sem limpeza adequada, sem atenção do Poder Público quanto à atenção nesse período de quarentena, entre outras coisas”, lembra o comerciante.

Defensor da categoria, ele tem brigado pelo retorno de todas as atividades em Aparecida. No final de abril o Executivo flexibilizou o funcionamento de bancas que comercializam hortifrutigranjeiros, considerados essenciais. Porém, como alerta, os comerciantes que vendem outros produtos, a exemplo de importados, roupas, calçados, continuaram parados e diante de grandes dificuldades financeiras.

“Obedecendo a todas as recomendações sanitárias de controle ao vírus é possível que todos retornem às suas atividades”, lembra o comerciante. Ele lembra que o município tem hoje cerca de 60 feiras cadastradas e mais de 7 mil feirantes legalizados.

Escalonamento

De acordo com Gilberto da Mega, em conversas com integrantes da categoria, muitos se dizem satisfeitos com a determinação do prefeito em implantar o escalonamento. Porém existe uma parcela que vê com preocupação a medida, uma vez que os comerciantes que fazem uma feira por semana passarão a trabalhar a cada 15 dias.

Uma portaria assinada pelo prefeito na última quarta-feira (03/06), dividiu o município em 10 macrozonas. Com a determinação, a cada dia da semana duas delas devem permanecer fechadas. A portaria impõe ainda que, aos sábados e domingos todos os estabelecimentos comerciais dessas regiões estarão fechados. A exceção é quanto aos serviços de saúde de urgência e emergência, farmácias e supermercados.

Por Mayone de Melo

Compartilhe este post: