Quinta, 17 de Junho de 2021
17 de Junho de 2021
Publicidade

“Golpe da OLX” era aplicado de dentro do Complexo Prisional de Aparecida

A juíza Placidina Pires, da 1ª Vara Dos Feitos Relativos a Organizações Criminosas e Lavagem de Capitais da comarca de Goiânia, recebeu denúncia contra oito pessoas acusadas de integrar organização criminosa que, de dentro do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, aplicava estelionatos por meio da OLX, o conhecido “Golpe da OLX”. Esse golpe teria vitimado, ao menos, 37 pessoas.

De acordo com a denúncia, os membros da suposta organização criminosa utilizavam o sítio eletrônico OLX para celebrarem negócios com as vítimas, apossavam-se, fraudulentamente e sem qualquer pagamento, dos produtos anunciados e, em seguida, cobravam valores pela restituição, contudo, não devolviam os produtos.

Consta ainda que, para simular o pagamento dos produtos, falsificavam os comprovantes de pagamento para encaminharem às vítimas. Além disso, a fim de convencerem as vítimas a fechar a venda dos produtos anunciados, os denunciados, em algumas oportunidades, encaminhavam os documentos pessoais de outras vítimas que já tinham caído do golpe e se passavam por elas, com isso fazendo novas vítimas.

A magistrada, ao decretar a prisão preventiva dos réus que se encontram presos na Penitenciária Odenir Guimãres (POG), destaca que, apesar de já se encontrarem presos pela suposta prática de crimes, “os réus não se sentiram desestimulados a cometer novos delitos, ao contrário, continuaram cometendo novas infrações penais (vitimando, ao menos, 37 pessoas), do que se extrai, além da periculosidade social, o receio de reiteração delitiva”.

“Nessa esteira, no caso sub examine, verifico que a peça acusatória narrou fatos típicos, antijurídicos e culpáveis, as suas circunstâncias, a qualificação dos acusados e a classificação dos crimes, possibilitando, assim, o exercício do contraditório e da ampla defesa, bem como a deflagração da ação penal”, enfatizou a juíza Placidina Pires.

Fonte: Centro de Comunicação Social do TJGO

 

Compartilhe este post: