Terça, 20 de Abril de 2021
20 de Abril de 2021
Publicidade

Lissauer dá estabilidade para a Assembleia e se credencia para vice de Caiado em 2022

Presidente conseguiu um feito raro: equilibrar a autonomia do Legislativo com o necessário respaldo aos projetos do Executivo

O fenômeno mais chamativo da política em Goiás, nos últimos dois anos, é a elevação do deputado estadual Lissauer Vieira à presidência da Assembleia e em seguida à condição de polo da articulação em torno do poder estadual.

Lissauer Vieira, hoje, tem cacife para se habilitar à vaga de vice na chapa da reeleição do governador Ronaldo Caiado em 2022. Ou, se não for o caso, partir para conquistar uma vaga de deputado federal, meta que não será difícil alcançar diante da imensa base eleitoral que construiu. 

O atual presidente da Assembleia saiu de uma atuação apagada, na Legislatura passada, para a condição de maior influenciador do processo político estadual e das decisões que interessam ao conjunto da população, a partir do momento em que ascendeu, com o apoio hoje unânime dos seus pares, ao comando do Parlamento goiano.

Nunca houve, em Goiás, uma presidência legislativa como a de Lissauer Vieira. Em nenhum momento da sua trajetória houve qualquer dependência de aval do Executivo, geralmente o Poder de maior peso político, para chegar aonde chegou. Ele alcançou essa posição graças a um processo espontâneo de busca de maior autonomia para os deputados estaduais, compartilhado pela maioria esmagadora dos seus colegas, tanto os que apoiam quanto os que estão na oposição ao Palácio das Esmeraldas. 

Ao primeiro mandato como chefe da Assembleia, seguiu-se a recondução a um segundo período e o resultado é que Lissauer Vieira estará à testa do Poder até 31 de janeiro de 2013, um mês a mais que o governador Ronaldo Caiado, com o apoio unânime da Casa.

Em todo regime político, há necessidade de elementos de moderação capazes de aparar arestas e conduzir as escolhas finais que impactarão toda a sociedade. No microcosmos na política de Goiás, esse papel foi assumido pelo presidente da Assembleia, de uma maneira inédita até agora. Em décadas e décadas, coube ao chefe do Legislativo apenas a incumbência de encaminhar os interesses do eventual inquilino do prédio principal da Praça Cívica, nada mais. Foi assim tanto nos governos do PMDB (hoje MDB) quanto nos do PSDB. Mais de uma dezena de políticos se revezaram na direção do Parlamento, sem novidades. Lissauer Vieira quebrou essa até então interminável sucessão de mais do mesmo.

É fato que, hoje, a Assembleia evoluiu para uma espécie de poder moderador entre a ação resolutiva do governador Ronaldo Caiado, de fato pressionado pela difícil herança administrativa e financeira que recebeu, e a adequação desse desafio aos proveitos da população e de todos os atores, mesmo corporativos, envolvidos. Interessante: Lissauer Vieira aparece como o ponto de equilíbrio entre as demandas de um e de outro, sem vinculações partidárias ou de facção política. Ele é o fiador maior da governabilidade em Goiás.

É um avanço para o Legislativo e é um alento observar que praticamente todos os deputados convergem nessa direção. O que temos é uma Assembleia como nunca houve antes e é preciso que essa situação seja definida como marco do qual jamais se recuará, em qualquer momento. Essa é a inovação que seu presidente Lissauer Vieira representa, com toda a sua humildade e modéstia. 

Perfil moderado e conciliador

Nascido no Rio Grande do Sul, Lissauer Vieira veio para Goiás na migração em busca de espaço para trabalhar com a produção agrícola no Sudoeste goiano. Tendo Rio Verde como principal base eleitoral, foi eleito deputado estadual pela 1ª vez em 2014 com 29,6 mil votos. Em 2018, reelegeu-se, agora com 36,7 mil votos. É filiado ao PSB, mas há dúvidas sobre se permanecerá na legenda ou se buscará outro partido para a sua candidatura em 2022.

Os colegas deputados o escolheram para presidir a Assembleia na atual Legislatura, em razão do seu estilo determinado quanto conciliador. Foi reconduzido à presidência do Legislativo, que continuará ocupando até 31 de janeiro de 2023. Desde já, é lembrado como candidato a vice-governador na chapa da reeleição do governador Ronaldo Caiado, embora prefira dizer que será candidato a deputado federal.

Da Redação

Foto: Divulgação

Compartilhe este post: