Segunda, 20 de Setembro de 2021
20 de Setembro de 2021
Publicidade

Maioria esmagadora das bases do MDB rejeita Mendanha e candidatura própria

Movimentação do prefeito de Aparecida atrás das lideranças de base do MDB foi uma decepção: ninguém manifestou apoio à tese da candidatura própria. Partido deve formalizar no máximo até outubro a aliança com o DEM em apoio à reeleição de Caiado, com Daniel Vilela na vaga de vice

A direção estadual do MDB espera convencer o prefeito Gustavo Mendanha a acatar o resultado da consulta ampliada aos membros do partido sobre os rumos a seguir às eleições de 2022, mas uma coisa é certa: as bases não querem que o prefeito de Aparecida renuncie ao mandato para concorrer ao Palácio das Esmeraldas.
Mais de 90% dos quadros do MDB goiano já ouvidos pelo presidente da executiva estadual, Daniel Vilela, respaldam a proposta de aliança com o DEM, em apoio à reeleição do governador Ronaldo Caiado, tendo o dirigente emedebista como candidato a vice-governador. Daniel Vilela se esforça em convencer Mendanha a acatar a consulta interna do MDB, cujo resultado deverá ser anunciado por volta de 15 de outubro, em ato político que vai contar com a presença de Caiado, na sede do partido.
Se ele se insurgir contra a vontade do partido, Mendanha terá duas alternativas: permanecer no MDB e no cumprimento do mandato de prefeito de Aparecida ou deixar o partido, filiar-se a outro e concorrer ao Palácio das Esmeraldas, colocando o seu futuro político em risco acentuado. Parte do secretariado de Mendanha e empresários aparecidenses tentam mostrar ao prefeito que, derrotado internamente no MDB, o mais prudente seria acatar o resultado e permanecer no partido e no exercício do mandato conquistado nas urnas em 2020.
No MDB, apenas o deputado estadual Paulo Cezar Martins, o ex-deputado federal Sandro Mabel e o diretório municipal do partido em Aparecida manifestaram, publicamente, respaldo à proposta de Mendanha de candidatura própria à sucessão estadual.
Na visão de Iris Rezende, um dos aliados de Daniel Vilela no apoio a Ronaldo Caiado, o MDB precisa se revigorar com a conquista de deputados federais e estaduais e, para ele, aliar-se ao governo do Estado teria vantagem nessa prioridade. “Precisamos recuperar as forças do partido para enfrentar as urnas, na disputa ao governo, não em 2022 e sim em 2026”, tem dito o líder emedebista às lideranças que o procuram em seu escritório, em Goiânia. Ele completa: “Além do mais, Caiado realiza um bom governo, o que o credencia a disputar novo mandato.”
Luiz do Carmo, único senador do MDB de Goiás, agora vice-presidente da executiva estadual do partido, integra o bloco liderado por Daniel e Iris, em favor da aproximação com o Palácio das Esmeraldas, em respaldo à reeleição de Caiado. Luiz do Carmo integrou a dissidência do partido que, em 2018, subiu no palanque de Caiado. Dos quatro deputados estaduais da legenda, três – Bruno Peixoto, Humberto Aidar e Henrique Arantes – estão fechados com a decisão que Daniel e Iris tomarem, ou seja, de coligação MDB/DEM. Apenas Paulo Cezar Martins defende candidatura própria ao governo.
Os ex-presidentes da executiva estadual do MDB – Nailton de Oliveira e Samuel Belchior – também estão alinhados com o respaldo à reeleição do governador Ronaldo Caiado. “O MDB já perdeu seis eleições consecutivas para o governo estadual. Caiado foi eleito senador com apoio do nosso partido. Em 2018, abriu o coração para o MDB, mas a legenda não enxergou isso. Agora, Daniel Vilela e Iris Rezende estão no caminho certo, em defesa da aliança com o DEM”, frisou Nailton de Oliveira. (Por Helton Lenine / jornalismo@diariodeaparecida.com)

Compartilhe este post: