Quinta, 29 de Julho de 2021
29 de Julho de 2021
Publicidade

MEC firma parceria para promover ambientes de inovação na Rede Federal

As instituições de ensino da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica terão mais incentivo para proporcionar, a seus estudantes e professores, ambientes ligados ao empreendedorismo e à inovação, como incubadoras de empresas, espaços maker ou coworking.

Na última quinta-feira (30), foi firmada uma parceria entre a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação (MEC) e a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendedorismo e Inovação (Anprotec), por intermédio do Instituto Federal do Espírito Santo, para o desenvolvimento desses espaços.

O acordo vai beneficiar todas as autarquias da Rede e será executado em três fases. Na primeira, será avaliada a maturidade de cada instituição de ensino para o fomento ao empreendedorismo inovador. Depois, na segunda fase, haverá cursos para qualificar líderes na gestão de ambientes de inovação. Na terceira e última fase, serão elaborados planos de implementação, desenvolvimento e operação desses ambientes dentro das instituições.

“A Rede Federal tem reconhecida capacidade para atuar no desenvolvimento local, e queremos dar condições para que os ambientes de empreendedorismo se desenvolvam nela, gerando mais aproximação da formação dos estudantes com o setor produtivo”, afirmou o secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Ariosto Culau, durante o evento de lançamento, que ocorreu na última quinta-feira (30), e reuniu representantes das instituições da Rede por webconferência.

Ele destacou o programa Novos Caminhos: lançado no ano passado, tem gerado diversas entregas com o mesmo foco, como os editais de inovação e empreendedorismo e a implementação de novos Polos de Inovação.

O presidente do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal (Conif), Jadir José Pela, participou do evento de lançamento da parceria e ressaltou que a novidade vai contribuir para o desenvolvimento de redes de incubadoras de empresas. Ele disse que o assunto está pautado nos institutos, que têm iniciativas em diferentes graus de maturidade para a promoção do empreendedorismo.

O presidente da Anprotec, Francisco Saboya, explicou que, embora o Brasil esteja entre as maiores economias do mundo, ocupa posições como 64º no ranking de inovação e 66º em competitividade, de acordo com o Fórum Econômico Mundial.

A seu ver, essa assimetria aponta para a necessidade de aumentar as conexões entre a comunidade acadêmica e o mercado. “Os institutos federais são peças fundamentais, porque carregam capital humano e potencial empreendedor”, avaliou. Para ele, reproduzir ambientes de empreendedorismo pode proporcionar um salto de competitividade ao país.

Compartilhe este post: