Quinta, 29 de Julho de 2021
29 de Julho de 2021
Publicidade

Mendanha se recolhe após Daniel apontar articulações para 2022 como “precipitadas”

Presidente estadual do MDB desautoriza articulações do prefeito de Aparecida, que tentava antecipar a definição do partido em favor de uma candidatura própria no ano que vem

O prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, que viajava a municípios e procurava veículos de imprensa para defender o lançamento de uma candidatura própria a governador, pelo MDB, em 2022, acabou se recolhendo após levar um “pito” público do presidente estadual do MDB, Daniel Vilela, que afirmou considerar “precipitadas” essas articulações.

Não é de hoje que o filho e herdeiro político de Maguito Vilela tem se posicionado a favor de deixar para o ano que vem as conversas e negociações sobre candidaturas ao governo do Estado. É o mesmo ponto de vista que o governador Ronaldo Caiado tem externado, entendendo que seu foco, agora, ainda deve recair sobre o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Gustavo Mendanha discorda. Embora repita diariamente que é “leal” e se considera “irmão” de Daniel Vilela, na prática não se comporta assim e atua ostensivamente contra o presidente estadual do MDB e, de quebra, até contra Iris Rezende, maior nome do partido. Há poucos dias, mandou o seu assessor político Carlos Júnior, que também é presidente do diretório metropolitano da legenda, espalhar críticas à atuação de Iris, reclamando tardiamente do apoio que o velho cacique negou à candidatura de Maguito Vilela a prefeito de Goiânia.

Na verdade, o prefeito de Aparecida é motivado por ressentimentos pessoais que guarda contra o governador Ronaldo Caiado, que, na eleição do ano passado, deu apoio a uma candidata adversária em Aparecida, no caso, Márcia Caldas, do Avante, que fez campanha denunciando excessos dos seguidores de Mendanha.

A vingança, ou melhor, a tentativa de vingança é atrapalhar o acordo que se desenha entre o MDB e o DEM, com a indicação de Daniel Vilela para a chapa da reeleição do atual governador, como candidato a senador ou a vice. Essa aproximação, se vier a se concretizar, isola totalmente o prefeito de Aparecida e provavelmente o levará a abrir uma dissidência interna e até mesmo a sair do partido, se tiver coragem para tanto.

Não à toa, a chapa liderada pelo deputado estadual Paulo Cezar Martins, que faz oposição à continuidade de Daniel Vilela no comando estadual do MDB, assumiu a bandeira de Mendanha da candidatura própria. Mais ainda: oficialmente, anunciou que apoia o prefeito como candidato do partido a governador em 2022.

Em tudo isso, salta uma conclusão: a inexperiência política de Mendanha e a sua imaturidade (tem 37 anos) acabaram sendo evidenciadas e prejudicam a imagem de liderança em crescimento que se esforçou para vender, mas não conseguiu.

 

Compartilhe este post: