Quinta, 17 de Junho de 2021
17 de Junho de 2021
Publicidade

Moradores de Aparecida não conseguem agendar vacina pela internet

Devido às sobras de imunizantes, prefeitura teria abaixado a idade para vacinação, mas população tenta se cadastrar sem sucesso

Moradores de Aparecida de Goiânia denunciam que não estão conseguindo agendar a vacina contra a Covid-19 pelo sistema on-line (aplicativo e site) da prefeitura. Uma leitora do Diário de Aparecida, que preferiu não se identificar, afirmou que não há vaga para o recebimento do imunizante durante a semana nas Unidades Básicas de Saúde (UBS’s). Devido às sobras, de acordo com a moradora, a prefeitura teria diminuído a idade por marketing, para dar a ideia de que o ritmo está acelerado. Conforme ela, mais três pessoas tentaram e também não conseguiram. “Piada é a Prefeitura de Aparecida, vai baixando a idade para vacinação, mas não tem vagas no sistema de agendamento de segunda a quinta”, reclamou.

Vale destacar que o ritmo de vacinação na cidade segue lento. Os municípios goianos mais populosos do Estado apresentam cenários diferentes no que se refere à proporção de vacinas já aplicadas como segunda dose, tendo como base cruzamentos de dados das respectivas secretarias municipais de Saúde. Aparecida, segunda maior em população geral, com base nos dados da última terça-feira, 8, do Painel Covid-19 do município, vacinou somente 7,13% da população, com 42.096 pessoas imunizadas.

A atualização do Painel da Vacinação Contra a Covid-19 de ontem, 9, aponta que em Goiânia, cidade mais populosa, 212.986 pessoas receberam a segunda dose, o que corresponde a 13,86% dos goianienses, e lidera o ranking da vacinação entre as três cidades com mais habitantes de Goiás. Anápolis, terceira maior cidade em população, ocupa a vice-liderança do ranking estadual com 11,30% dos anapolinos imunizados com a segunda dose, o que corresponde a 44.300 pessoas, segundo dados de ontem, 9, do Informe Epidemiológico.

Levantamento realizado pela Secretaria de Estado da Saúde de Goiás apurou que, referente à primeira dose, foram aplicadas 1.566.167 doses em todo o Estado, o que corresponde a 22,01% da população goiana. Em relação à segunda dose, estão imunizados 9,30%% dos goianos, ou seja, 661.618 pessoas.

Desde o início do ano, o Estado trabalha para vacinar a população contra a Covid-19. A superintendente de Vigilância em Saúde, Flúvia Amorim, disse que as vacinas estão chegando, mas mesmo assim a população não pode relaxar quanto aos cuidados, porque a Covid-19 é muito perigosa. “Além de ver o número crescente de casos, estamos vendo o aumento da taxa de ocupação de leitos, que é o que mais nos preocupa neste momento. Todos precisam entender que a ampliação de leitos tem um limite”, salientou.

 

Desprezo à ciência
O professor Oscar Bruña-Romero, da Universidade Federal de Santa Catarina, acredita que os esforços de alguns municípios para a vacinação rápida dos cidadãos e para a manutenção das medidas de prevenção vêm demonstrando que também há prefeitos e secretários de Saúde cumprindo corretamente o papel de gestão. A crítica, nesse sentido, estaria relacionada àqueles que não consideram a ciência nas decisões.

“Até hoje não entendo a insistência na necessidade exaustiva de meritocracia promulgada por muitos governantes e políticos, e, ao mesmo tempo, o fato do Ministério e muitas secretarias de Saúde tomarem decisões políticas e não científicas, com uma desconsideração absoluta por qualquer mérito científico demonstrável. Espero que a lição nos sirva para planejar um futuro melhor”, diz.

Desde que a Prefeitura de Aparecida adotou o modelo de zoneamento do comércio, em março, os índices de mortes e casos de Covid-19 só aumentaram. Apesar de o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 classificar o município no cenário verde (risco baixo), Aparecida permanece em situação crítica no mapa de risco da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás.

Na medida em que a Prefeitura de Aparecida autorizou a flexibilização de atividades econômicas não essenciais, casos e mortes por Covid-19, além da ocupação de leitos de UTIs, cresceram. Até hoje, Mendanha insiste em afirmar que o modelo de abertura escalonada do comércio, indústria e serviços teria ajudado a estabilizar o avanço da doença, porém o que se vê desde dezembro é o aumento das mortes diárias na cidade.

RESPOSTA DA PREFEITURA

Sobre a reclamação dos leitores do DA, a Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida esclareceu, por nota, que todos os dias, de segunda a sexta-feira, são liberadas novas vagas para agendamento da aplicação da primeira dose da vacina contra a Covid-19 nas UBS´s dos setores Andrade Reis, Jardim Olímpico, Bairro Cardoso, Jardim Florença e Veiga Jardim e na Central Municipal de Imunização.

“Além disso, a pasta informa que o serviço também está disponível nos postos de drive-thru da Cidade Administrativa e do Centro de Especialidades, sem a necessidade de agendamento. Informa ainda que para a aplicação da dose dois não é necessário agendar, basta procurar na data indicada uma das unidades básicas que oferecem o serviço ou o posto de drive-thru do Aparecida Shopping, com documento de identidade, CPF e Cartão de Vacinação em mãos. Até a última quarta-feira, 8, a cidade já havia aplicado mais de 152 mil doses de vacinas contra a Covid, sendo que 25% da população adulta aparecidense já recebeu ao menos a primeira dose do imunizante”, informou o comunicado.

Compartilhe este post: