Terça, 20 de Abril de 2021
20 de Abril de 2021
Publicidade

MP obtém pena de mais de 86 anos de reclusão para réu por dois homicídios e três tentados em Trindade

Em sessão da 1ª Vara Criminal, de Crimes Dolosos contra a Vida e Tribunal do Júri e Execução Penal de Trindade, que teve atuação do promotor de Justiça Paulo de Tharso Brondi, como representante do Ministério Público de Goiás (MP-GO), o juiz André Reis Lacerda condenou Raphael Valério Laureano a 86 anos e 8 meses de reclusão, por dois homicídios duplamente qualificados e três homicídios tentados, ocorridos em 29 de dezembro de 2012, naquela cidade. O réu encontra-se preso, cumprindo pena por outros homicídios. A denúncia foi oferecida em 2013 pelo promotor de Justiça Eudes Leonardo Bomtempo contra Raphael Valério, Romerson Jorge da Silva, Carlos Adriano de Souza Costa.

Homicídios consumados e tentados
De acordo com a denúncia, no dia 29 de dezembro, às 22h30, Romerson Jorge, Raphael Valério e Carlos Adriano estavam em um bar, no Conjunto Sol Dourado, em Trindade, quando, previamente ajustados, por motivo fútil e com utilização de recurso que dificultou a defesa da vítima, mataram a tiros Deibe Rodrigues Calixto e Maurillyio Brendow Rodrigues de Lima, e tentaram matar Wilmondes Rodrigues Calixto, Reginaldo Gonçalves da Silva e Erika Cristina Ferreira.

Na ocasião, Raphael e Carlos Adriano faziam parte de um grupo que se dedicava a atividades criminosas, incluindo tráfico de drogas, roubos e homicídios em Trindade e região metropolitana de Goiânia.

O grupo era liderado por Romerson Jorge que, mesmo preso, comandava as ações dos demais integrantes, determinando a Raphael Valério e a Carlos Adriano que matassem Wilmondes, por ser seu concorrente no tráfico naquela cidade.

Assim, no dia do crime, os dois e um comparsa não identificado, passaram e se certificaram de que Wilmondes estava no bar com alguns amigos, além de outros clientes. Eles, então, estacionaram o veículo em que estavam em uma esquina, foram a pé para o comércio e, em ação repentina, com a intenção deliberada de matar não só Wilmondes, mas todos que estavam no recinto, atiraram simultaneamente em suas direções.

Em decorrência disso, Deibe e Maulillyo morreram, enquanto Wilmondes Reginaldo Gonçalves e Erika Cristina foram atingidos, mas não morreram porque receberam atendimento médico adequado. Romerson Jorge e Carlos Adriano tiveram extinta sua punibilidade em razão do óbito. 

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do MP-GO

Compartilhe este post: