Sábado, 24 de Julho de 2021
24 de Julho de 2021
Publicidade

Para fortalecer as bases da reeleição, Caiado retoma agenda de inaugurações

Focado no combate à pandemia da Covid-19 desde março de 2020, governador dá continuidade a contatos no interior do Estado e passa a priorizar compromissos que têm componentes políticos

A 18 meses das eleições de 2022, quando deverá concorrer a novo mandato, o governador Ronaldo Caiado (DEM) voltou a marcar presença no interior do Estado, conversando com lideranças políticas e inaugurando obras como a construção de casas populares, recuperação de rodovias e também programas sociais.
Desde março do ano passado, as ações do Palácio das Esmeraldas foram concentradas no combate à Covid-19, mas, com a intensificação da vacinação nos 246 municípios e a expectativa de que até dezembro a doença estará sob controle no Estado, Caiado retomou as suas viagens ao interior.
É uma agenda essencialmente política. Além disso, os prefeitos da base aliada governista já vinham cobrando de Caiado maior presença nos municípios tanto para tratar de questões de saúde, educação e segurança pública quanto de temas relacionados aos programas sociais, habitação popular, preservação ambiental e recuperação de rodovias.
Visitas como a Paraúna na última quinta-feira, 15, onde deu pontapé ao novo programa de construção de casas populares, e a Caldas Novas, na sexta, 16, para entregar a revitalização de um colégio militar, devem se tornar mais frequentes nas próximas semanas e meses.
As viagens marcam o esforço do governador para iniciar uma agenda positiva que deve ser marcada por vistorias e inaugurações de trechos de rodovias, conforme já aconteceu nessas duas primeiras viagens, além de ações ligadas ao programa Goiás Social, cujo projeto de lei chegou a ser enviado à Assembleia, mas passa por ajustes antes de ter a tramitação iniciada. As ações têm como pano de fundo uma mudança de tom da administração estadual de olho nas eleições de 2022, ou seja, daqui a 18 meses.
É normal. Após os dois primeiros anos marcados por medidas de austeridade e pela pandemia do novo coronavírus, o governador Ronaldo Caiado (DEM) dá curso à segunda metade de seu mandato com a expectativa de avançar na implementação das marcas de sua gestão.

Definição de alianças só no início do ano que vem

Dedicado ao combate à Covid-19 e às ações administrativas de seu governo, Ronaldo Caiado deixou para começar em janeiro do ano que vem as conversações com os partidos sobre alianças eleitorais visando o seu projeto de reeleição em 2022.
Já com o apoio de 12 partidos, que estão ao seu lado desde as eleições de 2018, o governador tem a perspectiva de contar com pelo menos sete novas legendas à reeleição para um novo mandato ao governo de Goiás.
Outro dado relevante: prefeitos do MDB, PSD, Republicanos, Progressistas, PSB, PL e de outras legendas também defendem apoio de seus partidos à campanha pela reeleição do governador Ronaldo Caiado, conforme levantamento feito pelo Diário de Aparecida.
O MDB, presidido pelo ex-deputado federal Daniel Vilela, sinaliza disposição para integrar a base aliada para a campanha à reeleição de Ronaldo Caiado no pleito do ano que vem. Daniel, que tem encontros frequentes com Caiado, também transferiu para a partir de janeiro as conversações sobre alianças e coligações visando às eleições majoritárias (governador e senador) e proporcionais (deputados federal e estadual). O ex-governador Iris Rezende, a maior expressão política do MDB de Goiás, já antecipou apoio à reeleição do governador.
O Republicanos, que tem o deputado federal João Campos como presidente estadual e conta com a liderança do prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, também se mostra simpático à aliança com o Democratas caiadista. Cruz e Caiado vêm tendo agendas administrativas frequentes e, também, conversam sobre as eleições próximas no Estado.
O PSD, que tem à frente o ex-deputado federal Vilmar Rocha, é outro partido que deve optar pela aliança com o DEM se depender da vontade do senador Vanderlan Cardoso, do deputado federal Francisco Jr e do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles.
Momentaneamente afastado, o Progressistas, presidido por Alexandre Baldy, é aposta certa para se sentar à mesa para discutir coligação com o DEM caiadista. Prefeitos do partido pressionam Baldy a voltar a conversar logo com Caiado.
Legendas menores, como Solidariedade, Pros, PV e Avante sinalizam disposição de integrar a base governista, confirmando apoio à reeleição de Caiado. O PSB, que é comandado pelo deputado federal Elias Vaz, também admite entendimento com o DEM caiadista, principalmente pela posição favorável do presidente da Assembleia Legislativa, Lissauer Vieira. O PL, que é presidido pelo empresário Flávio Canedo e pela sua mulher, deputada federal Magda Mofatto, também deverá integrar a aliança com o DEM de Ronaldo Caiado.

Compartilhe este post: