Notícias

Primeiro ano de governo Caiado gastou 77,48% a menos com mídia que Marconi

A diferença de gastos com publicidade nas gestões Marconi Perillo (PSDB) e Ronaldo Caiado (DEM) é discrepante. Enquanto o mandatário tucano investiu R$ 95.906.378,23 com mídia no primeiro ano de sua reeleição (2015), o democrata fechou as torneiras, aplicando R$ 21.590.378,57 em 2019, quando assumiu o Governo de Goiás.

Num comparativo simples, significa dizer que, no primeiro ano de gestão, Caiado cumpriu compromisso firmado de reduzir o custo da máquina pública em benefício do cidadão, gastando 77,48% a menos que o ex-governador no mesmo período de tempo. A tendência, segundo o governo estadual, é manter os baixos níveis de gastos com publicidade ao longo da atual gestão.

Os dados foram extraídos do Portal da Transparência e consideram os recursos investidos em campanhas da Companhia de Saneamento (Saneago), Departamento Estadual de Trânsito (Detran-GO) e Secretaria de Comunicação (Secom). Para se ter uma ideia, o valor poupado com publicidade no primeiro ano de governo Caiado (mais de R$ 74 milhões) seria o suficiente para manter um hospital público, da dimensão do Hospital de Urgências de Goiânia – Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), que possui 444 leitos, funcionando e atendendo à população por mais de três meses.

O dinheiro utilizado pelo Governo de Goiás em 2019 foi inferior a qualquer ano da gestão Marconi, inclusive em 2018, quando estava vigente a legislação eleitoral que proíbe o exagero em gastos com publicidade. Mesmo nesse ano de eleição, onde há uma tendência de redução de recursos voltados para a mídia, a gestão tucana gastou mais de R$ 58 milhões.

Em 2015, o valor foi de R$ 95,9 milhões. Já em 2016, o montante superou os R$ 105 milhões. E, em 2017, véspera de ano eleitoral, chegou a ultrapassar a marca de R$ 126,8 milhões. Todos esses gastos elevados na publicidade do governo anterior chamaram a atenção da Polícia Civil do Estado de Goiás (PC-GO), que passou a investigar a aplicação desse recurso.

Em janeiro último, a Corporação deflagrou a Operação Sofisma, que apurou superfaturamento e fraude em contratos de órgãos do governo com sites e blogs, entre 2014 e 2017. As investigações constataram que o dinheiro público era usado para atacar adversários políticos. A partir de uma denúncia do Ministério Público de Goiás (MP-GO), foram mobilizados 100 policiais, que cumpriram 17 mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados e nos órgãos estaduais.

Gastos em 2020
À reportagem, o Governo de Goiás informou que, nesses primeiros meses de 2020, foram utilizados R$ 12.128.628,35 pelas três pastas, sendo R$ 573.347,62 por parte da Saneago; R$ 5.709.818,54 pela Secom; e R$ 5.845.462,19 pelo Detran. É de se considerar que todos os órgãos do Governo de Goiás estão empenhados em informar a população sobre a necessidade de isolamento social e as formas de prevenção do novo coronavírus e como evitar a proliferação da Covid-19.

As informações sobre o uso dos recursos públicos estão disponíveis no Portal Goiás Transparente e podem ser acessados por todos os cidadãos a partir do seguinte link: www.transparencia.go.gov.br/portaldatransparencia.

Mayara Ferreira

Estagiária supervisionada pelo editor Jorge Borges

Arquivos relacionados