Quinta, 05 de Agosto de 2021
05 de Agosto de 2021
Publicidade

Republicanos é a opção de Mendanha para sair da “sombra” de Daniel Vilela

Prefeito de Aparecida de Goiânia segue pressionado pelo seu grupo para ocupar um espaço próprio na política estadual, abandonando o “guarda-chuva” do MDB

Os cardeais do Republicanos, entre eles o presidente nacional, Marcos Pereira, o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, e o deputado federal João Campos abriram as portas do partido para Gustavo Mendanha, sob o argumento de que chegou o momento de o prefeito de Aparecida, segundo maior colégio eleitoral do Estado, sair da “sombra” de Daniel Vilela, mandachuva do MDB goiano.
Em recente visita a Aparecida, Rogério Cruz sinalizou “positivamente” para Gustavo Mendanha no sentido de trocar o MDB pelo Republicanos, já que, segundo o prefeito da Capital, haveria espaço político para o colega prefeito ampliar os seus horizontes eleitorais nas eleições futuras.
A vereadora aparecidense Valéria Pettersen, que integra o MDB de Gustavo Mendanha e é fiel ao prefeito, aceitou ocupar a Secretaria de Relações Institucionais do Governo Rogério Cruz também com a missão de reaproximar os prefeitos de Goiânia e Aparecida. E mais do que isso: atuar para convencer Mendanha a trocar o MDB pelo Republicanos, ressaltando que ele teria “maior espaço” na nova legenda para voos mais altos na política goiana.
Valéria tem dito a aliados do MDB que chegou a hora de Gustavo Mendanha deixar de ser “sombra” de Daniel Vilela e conquistar espaço próprio na política e dar passos mais altos em 2022. Ela fala até na aproximação de Mendanha com o governador Ronaldo Caiado, agindo com rapidez para antecipar um movimento que – imagina-se – Daniel Vilela deverá fazer mais cedo ou mais tarde.
O próprio presidente estadual do Republicanos, João Campos, deverá ter uma conversa nos próximos dias com Gustavo Mendanha, na tentativa de atraí-lo para o partido. Detalhe importante: Campos e Mendanha são membros da Igreja Assembleia de Deus e amigos de dezenas de pastores comuns aos dois. Campos já residiu em Aparecida e a cidade é um dos seus colégios eleitorais exatamente pela relação que tem com o público evangélico.
Com os desgastes vividos por Daniel Vilela, derrotado na disputa pelo governo de Goiás em 2018, a redução do número de prefeitos do MDB em 2020 e agora o rompimento com o prefeito Rogério Cruz, Gustavo Mendanha está sendo convencido a aproveitar a oportunidade para deixar a legenda e buscar abrigo no Republicanos.

Início do 2º mandato é marcado por uma onda de fatos negativos

Embora tenha saído das eleições do ano passado com uma boa performance, já que foi reeleito no 1º turno, Gustavo Mendanha iniciou o 2º mandato com desgastes administrativos significativos. A cidade enfrenta dificuldades para deslanchar as obras, principalmente de infraestrutura, em razão da falta de recursos financeiros – queda de arrecadação e redução de transferências do governo federal por conta da pandemia de Covid-19.
Mendanha vive também dramas pessoais: praticamente toda a família testou positivo para a Covid-19 – ele próprio, a mãe, a esposa, dois filhos e seis tios, além do pai, Léo Mendanha, que morreu vítima da doença. O prefeito praticamente não sai de casa, depois de permanecer por duas semanas em um apartamento de hospital para superar a infecção pelo coronavírus.
Mendanha não diz uma palavra sobre se irá ou não acatar o convite do Republicanos, mas a expectativa, no Paço Municipal, é de que deverá fazê-lo nas próximas semanas. Uma vantagem: o código eleitoral não impede que chefe de Executivo (presidente, governador ou prefeito) mude de partido, a qualquer tempo, preservando o mandato, o que é diferente em relação aos membros do Legislativo.
O prefeito de Aparecida é alvo prioritário para o Republicanos: o deputado federal Marcos Pereira, presidente nacional do partido, orientou a direção estadual da legenda a buscar “quadros novos” em Goiás visando o lançamento de chapa competitiva para o Congresso Nacional (senador e deputado federal). O partido trabalha para lançar João Campos ao Senado, mas, como plano B, quer assegurar a sua reeleição para a Câmara, bem como eleger o deputado estadual Jeferson Rodrigues para deputado federal.
O prefeito Rogério Cruz também está comprometido com a direção nacional do Republicanos para trabalhar pelo fortalecimento do partido em Goiás, exercendo sua liderança política para atrair novos quadros e possíveis candidatos a cargos proporcionais – deputados federal e estadual – visando as eleições do ano que vem.
Há emissários do Republicanos atuando junto a vereadores em Aparecida e em Goiânia em busca de filiações que possam ampliar a representação do partido no Legislativo, também de olho nas eleições de 2022, para o lançamento de candidaturas a deputado federal e a deputado estadual.
Os membros do partido da Igreja Universal do Reino de Deus são ambiciosos do ponto de vista eleitoral: querem sair do limbo político e dar saltos mais altos em Goiás, deixando o plano secundário para conquistar protagonismo, competindo em pé de igualdade com partidos como MDB, PSDB, PSD, PDT, PSL, PT, entre outros.
Não à toa, o deputado federal João Campos, presidente do Republicanos em Goiás, em entrevista a O Popular, afirmou que o partido atua, neste período que antecede às eleições, para ocupar novo espaço na política estadual, com o foco de lançar candidatos competitivos (majoritários e proporcionais) às eleições do ano que vem. (H.L.)

Compartilhe este post: