Aparecidadestaques

Secretaria de Saúde de Aparecida confirma quarto caso da variante Delta no município

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Aparecida de Goiânia confirmou na tarde de ontem, 12, o quarto caso de infecção pela variante Delta da Covid-19 no município. Trata-se do marido – de 30 anos de idade – de uma mulher que teve diagnosticada a cepa na última sexta-feira, 6. Todos os quatro contaminados pela variante são, portanto, da mesma família. Além do caso mais recente, foram confirmados o de um idoso de 67 anos e duas mulheres, de 60 e 34 anos, que são, respectivamente, pai, mãe e filha. O idoso faleceu no domingo, 8, no entanto, a SMS da cidade só informou na última quarta-feira, 11. A pasta já havia comunicado que ele estava em estado grave na última semana. Os demais estão recuperados do novo Coronavírus.

O Estado de Goiás já registrou, ao todo, 11 casos da variante Delta. Além dos quatro de Aparecida, outros quatro casos são de moradores de Goiânia (dois deles trabalham em unidades de saúde no Distrito Federal e se contaminaram no local de trabalho, e outros dois têm como origem uma viagem internacional). O quinto caso é de um morador do município de Santo Antônio do Descoberto que também trabalha no Distrito Federal e manteve contato com outra pessoa contaminada. Foram confirmados dois casos em residentes de São João D’Aliança, ambos relacionados ao surto de Covid-19 registrado em um hospital do Distrito Federal (DF).

Em nota oficial divulgada no site, a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) informou que a pasta e as respectivas secretarias municipais “seguem rastreando os contatos, acompanhando e monitorando os casos. Ainda não há transmissão comunitária da variante em Goiás”, destaca o comunicado. O sequenciamento dos casos em Goiás é feito pela rede genômica instituída pelo Ministério da Saúde, formada pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL), em São Paulo; Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro; e ainda por meio de parceria com a Universidade Federal de Goiás e Pontifícia Universidade Católica de Goiás (UFG/PUC-GO).

Na semana passada, durante coletiva de imprensa, o titular da SMS de Aparecida, Alessandro Magalhães, disse que o sequenciamento genético das amostras, que havia identificado os três primeiros casos da variante Delta no município, foi concluído no dia 5 de julho. A primeira a ser contaminada foi uma mulher de 34 anos que trabalha em Goiânia. Ela testou positivo no dia 9 de julho. Já nos dias 16 e 21 do mesmo mês, a mãe dela, de 60 anos, e o pai, de 67, também testaram positivo. Os dois já tinham tomado as duas doses da vacina contra a Covid-19. O idoso, que tem hipertensão, está intubado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Garavelo. As outras duas infectadas já se recuperaram da doença.

Como a paciente de 34 anos trabalha em Goiânia, Magalhães disse que, por enquanto, assume que há uma transmissão comunitária na região metropolitana da Capital. Ele explicou que já comunicou a situação à Secretaria Municipal de Saúde da Capital. O secretário acrescenta que informou também a detecção da Delta à SES-GO assim que o resultado do sequenciamento saiu.

O chefe da pasta de Saúde de Aparecida de Goiânia disse que, diante da situação, vai avaliar se é necessário mudar a estratégia de combate à doença. “Estamos preocupados com o cenário, que pode piorar, mas ainda é cedo para fazermos uma avaliação. A gente vai avaliar as próximas semanas, vamos intensificar o sequenciamento para entender se ela vai crescer dentro do cenário”, comentou.

Ao longo de toda a coletiva, Alessandro Magalhães reforçou que as medidas preventivas contra a Covid-19 precisam ser mantidas pela população: “O uso correto de máscara, tapando o nariz e a boca, a ventilação dos ambientes, a higienização das mãos e o distanciamento social continuam indispensáveis, mesmo para quem já se vacinou. E, sobretudo, é preciso se vacinar. Quem já está na hora de receber a imunização, deve fazê-lo o quanto antes, e quem está no momento da segunda dose também. A vacinação, com qualquer um dos imunizantes disponíveis no Brasil, é fundamental e continua salvando vidas.”

Dados preliminares apontam que a variante Delta é mais transmissível do que outras cepas, gera maior risco de hospitalização e de reinfecção e gera um quadro de sintomas um pouco diferente (mais dor de cabeça e menos tosse, por exemplo). O boletim da prefeitura da última quarta-feira, 11, mostra que, desde o início da pandemia, Aparecida de Goiânia registrou 79.688 casos confirmados e 1.549 vieram a óbito por Covid-19. De acordo com dados da SES-GO de ontem, 12, o Estado contabiliza 772.871 casos do novo Coronavírus e 21.663 mortes pela doença.

Você pode se interessar:

Comments are closed.

Mais em:Aparecida