Sábado, 24 de Julho de 2021
24 de Julho de 2021
Publicidade

Sem aparecer no gabinete, Mendanha passa os dias postando nas redes sociais

Com quase quatro meses de 2º mandato, gestor do município continua sem dar um passo para cumprir as promessas de campanha: 100 dias iniciais em branco

O prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, que passou por problemas pessoais com o ataque da Covid-19 à sua família e a ele mesmo, que teve de ser internado em hospital para tratar da infecção, ainda não retomou as suas atividades institucionais e continua sem aparecer no gabinete principal da Cidade Administrativa.
Com a mãe, tios, a mulher, Mayara, e dois filhos contaminados, além da morte do pai, o ex-deputado Léo Mendanha, vítima da doença, o prefeito acabou enfrentando um enorme desgaste pessoal e se afastou por completo da gestão. Ele não deu nenhuma explicação para o fato de não empossar provisoriamente o seu substituto eventual, o vice, Vilmar Mariano, com o qual teve uma crise de relacionamento no início do ano e em quem parece não confiar.
Por esse motivo e ainda diante do impacto da crise financeira da prefeitura, atingida pela queda na arrecadação dos impostos municipais e pela ausência de repasses do governo federal em razão do atraso na aprovação do Orçamento 2021 da União, Aparecida simplesmente parou.
Mendanha só continuou – e continua – ativo nas redes sociais, verdadeira obsessão: ele posta sem parar no Twitter, Instagram e Facebook, esforçando-se para transmitir uma imagem simpática e amigável para os seus seguidores. Não interrompeu as publicações nem mesmo acamado no Hospital Santa Mônica e manteve o ritmo inclusive durante o enterro do pai, quando exibiu imagens em que chorava copiosamente e dirigia mensagens a Léo Mendanha como se ele estivesse vivo.
O excesso de marketing às vezes gera efeitos contrários aos desejados. É o que pode estar acontecendo com Mendanha, na medida em que se posiciona mais como um “influencer” e menos como a maior autoridade institucional de Aparecida. Há quem diga que ele faz o papel de “garoto-propaganda” do município, vendendo ilusões em vez de apresentar soluções concretas para os desafios que atormentam a vida das aparecidenses e dos aparecidenses. Mas o tempo urge: não há nada para marcar a sua passagem pelo Executivo, já que o que existe de mais significativo na cidade foi feito pelos seus antecessores: Maguito Vilela, Ademir Menezes, Norberto Teixeira e até José Macedo.
Na campanha eleitoral de 2020, apresentando-se como candidato a um 2º mandato, o prefeito fez uma série de compromissos que até hoje, quase quatro meses depois de empossado, seguem como tinta no papel. Nem um passo foi dado para a implantação do prometido Banco de Alimentos ou da construção dos eixos viários Leste-Oeste (os da direção Norte-Sul foram construídos pelo então prefeito Maguito Vilela) nem para ao menos escolher a região e o terreno onde será erguido o Hospital de Combate ao Câncer, que Mendanha já havia incluído no seu plano de governo quando disputou o 1º mandato.
O asfalto para os bairros até que trouxe uma novidade, embora pequena diante das necessidades dos mais de 60 setores, talvez 80, que ainda aguardam o benefício. É que, depois de uma movimentação dos moradores da Vila Oliveira, que exibiram nas redes sociais vídeos de carros caídos dentro de erosões, a prefeitura reagiu e mandou esta semana as máquinas para pavimentar as ruas que foram alvo das reclamações. O Diário de Aparecida publicou fotos na edição impressa e reproduziu os vídeos nas redes sociais do jornal, ajudando a motivar Gustavo Mendanha a se mexer.
Em Goiânia, Rogério Cruz acelera, já tendo cumprido promessas de campanha como o IPTU Social e o programa Renda Família, implantados em menos de 60 dias depois de empossado. Chama a atenção o fato de que o Paço Municipal fez prestação de contas dos 100 primeiros dias de administração, com uma lista imensa de realizações e um impressionante relatório das atividades do prefeito – que já foi mais de dez vezes a Brasília atrás de verbas do governo federal.
Mendanha, ao contrário, passou batido pela marca dos 100 dias do seu 2º mandato. Só fez uma viagem a São Paulo, mas manteve sigilo sobre o que foi fazer lá. Nem um único projeto para captação de recursos foi levado ao governo federal nem a qualquer outra fonte de financiamento para o setor público. Em vez disso e de outras ações em benefício da população de Aparecida, ele posta, posta, posta nos seus perfis nas mídias sociais, e assim a segue a vida.

Para fazer exercícios físicos, prefeito vai para Hidrolândia

O prefeito Gustavo Mendanha voltou a praticar exercícios físicos depois de acometido pela Covid-19, que o levou a um período de internação hospitalar (ficou com 50% dos pulmões comprometidos). Como não faz nada sem postar fotos e vídeos nas redes sociais, ele informou que, juntamente com a esposa, Mayara (também atacada pelo coronavírus), fez uma corrida para começar a recuperar a forma.
Detalhe: o prefeito preferiu se deslocar para Hidrolândia, escolhendo a trilha do Morro Feio para as suas caminhadas – gastou 41 minutos para percorrer 5 quilômetros, com direito até a publicação de um print dos índices físicos apurados em um aplicativo especializado.
Políticos, de um modo geral, não gostam de se expor onde são conhecidos, para evitar assédio e pedidos inconvenientes, na maioria das vezes impossíveis de serem atendidos. Pode ser por isso, ou seja, para ter alguma privacidade enquanto se exercita, que Mendanha foi para Hidrolândia, na última segunda-feira, 19, em horário de expediente, para testar a resistência.
Nas 50 últimas publicações que o prefeito fez nas redes sociais, apenas uma diz respeito a atividades administrativas da prefeitura, quando ele mostrou máquinas trabalhando na pavimentação de ruas na Vila Oliveira.

Compartilhe este post: