Segunda, 20 de Setembro de 2021
20 de Setembro de 2021
Publicidade

Setor de eventos de Aparecida busca flexibilizar regras de funcionamento

Apesar de restrições, flagrantes de aglomeração e descumprimento de normas sanitárias na cidade são recorrentes. Representantes e empresas do segmento querem autorização para cerimônias com 500 pessoas e até 3 horas da madrugada

Representantes do setor de eventos de Aparecida de Goiânia buscam flexibilizar as regras para realização de shows, festas e atividades semelhantes na cidade. Atualmente, segundo a Portaria n° 124/2021-GAB/SMS, publicada no Diário Oficial Eletrônico do município no dia 17 de agosto de 2021, fica autorizada a realização de eventos sociais públicos e privados no âmbito de Aparecida de Goiânia, restrito a 40% da capacidade máxima do local, limitado a 150 pessoas.

Segundo o documento, os eventos devem respeitar o horário de término até uma hora da madrugada. Não estão permitidas pistas de dança e a apresentação está limitada a quatro integrantes. A intenção é que o aumento da capacidade para 500 participantes e horário estendido até 3h da manhã entre em pauta na próxima reunião do Comitê de Enfrentamento à Covid-19, que deve ocorrer na semana que vem.

Pelas redes sociais, o vereador Hans Miller (PSD) anunciou que, durante a sessão ordinária da Câmara Municipal da última quarta-feira, 8, ele defendeu a ampliação de funcionamento do setor de eventos em Aparecida de Goiânia. “Hoje já tem uma norma que permite, de forma limitada, alguns eventos. Muitos profissionais da área ainda estão em situação difícil, e temos que pensar em como ajudar esse importante público da nossa economia. Tendo em vista que mais de 50% da população de Aparecida já está vacinada com as duas doses, ou dose única, eu acredito que já podemos avaliar essa retomada”, declarou.

Além do parlamentar, o setor produtivo da cidade também defende a flexibilização do segmento. A Associação Comercial, Industrial e Empresarial da Região Leste de Aparecida de Goiânia (Acirlag) e o Sindicato de Turismo e Hospitalidade no Estado de Goiás (Sindtur-GO) solicitaram ao presidente do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 de Aparecida de Goiânia e secretário de Saúde da cidade, Alessandro Magalhães, por ofício, que seja levada à próxima plenária do comitê a pauta da retomada dos eventos de entretenimento.

Na justificativa, o documento destaca que o segmento está sendo prejudicado desde o início da pandemia de Covid-19 e, devido a isso, amarga inúmeros prejuízos financeiros. “Haja vista que a solicitação em tela é pertinente, pois o segmento de eventos de entretenimento, desde o início da pandemia, está sendo prejudicado e já vem há vários meses tendo muitos prejuízos. Com a retomada de vários segmentos, é certo que poderemos construir uma proposta sanitária para a retomada do mesmo, assegurando todas as exigências técnicas sanitárias impostas”, escreveu o ofício.

O presidente da Acirlag, Maione Padeiro, confia que a provocação terá efeito positivo durante a reunião. “Nós da Acirlag e Sindtur-GO estamos bem confiantes de que nossa provocação terá sucesso, pois teremos de iniciar um evento-teste e também de conscientização. Com a expansão da vacinação, somente imunizando mais de 70% teremos nossa economia voltando e os segmentos tendo a oportunidade da retomada consciente”, frisa o gestor da entidade classista.

 

Descontrole

Embora não haja permissão na lei para realização de eventos de entretenimento com participação máxima de 500 pessoas, nos últimos tempos, Aparecida de Goiânia está sendo palco de desrespeito em relação às normas de segurança de combate à Covid-19. Às vésperas do feriado de 7 de Setembro, dia 6, os fiscais da força-tarefa da cidade encerraram uma festa clandestina que estava ocorrendo no Setor Fabrício.

No local havia 269 pessoas aglomeradas, sendo que 180 delas, maioria de jovens e adolescentes, não usavam máscara de proteção facial e foram multadas. O organizador do evento também foi multado. O valor da multa foi de R$ 21 mil. Os fiscais percorreram ainda diversos pontos da cidade com relatos de descumprimento das regras sanitárias impostas por portarias. A intensificação da fiscalização noturna na cidade tem como objetivo impedir e coibir a realização de eventos com aglomeração, visando conter a transmissão da Covid-19. A força-tarefa de Fiscalização é formada por fiscais das secretarias da Fazenda, Meio Ambiente (Semma), Planejamento e Regulação Urbana, agentes da Vigilância Sanitária e da Guarda Civil Municipal (GCM).

Ainda na noite da última segunda-feira, 6, os fiscais multaram um bar por ultrapassar a capacidade permitida pelo Comitê de Prevenção e Enfrentamento à Covid-19 de Aparecida. O bar, que fica no Jardim Helvécia, foi multado em mais de R$ 3 mil por ter 57 pessoas a mais no espaço. “Como temos destacado sempre, a pandemia não acabou, por isso é preciso seguir as regras sanitárias e as portarias para que não tenhamos uma nova onda de transmissão da Covid-19 em Aparecida”, pontuou o coordenador da força-tarefa, Davi Lorero.

Durante toda a noite, as equipes visitaram 58 estabelecimentos, entre bares, restaurantes, distribuidoras e espaços de festa. Ao todo, dois bares foram autuados e/ou multados por descumprimento das medidas de combate à Covid-19 e falta de alvará de funcionamento; três caixas de som mecânico e um carro com som automotivo foram apreendidos e quatro festas clandestinas foram encerradas pelas equipes. (Por Eduardo Marques / jornalismo@diariodeaparecida.com)

Compartilhe este post: