Quinta, 05 de Agosto de 2021
05 de Agosto de 2021
Publicidade

Usuários do transporte coletivo reclamam de aglomerações em terminais de Goiânia

Primeiro dia útil da semana seguindo a ordem de embarque prioritário nos horários de pico foi marcado por confusão; passageiros afirmam que a medida só "alterou os horários de tumulto"

Eduardo Marques

O primeiro dia da semana para embarque prioritário no transporte público de Goiânia no horário considerado de pico para pessoas que trabalham nos serviços essenciais foi marcado por confusão, erros do sistema e muita revolta dos usuários que tinham feito o cadastro no site indicado, mas que, ao chegarem nos terminais, tiveram o acesso negado. 

Uma equipe de reportagem da TV Anhanguera percorreu o Terminal Novo Mundo na manhã de ontem, 5, e flagrou aglomeração de usuários do transporte coletivo na plataforma do Eixo. À emissora, eles reclamaram que é comum esse tipo de cena no local, mesmo com a determinação do embarque prioritário. 

Segundo a matéria, há até passageiros que chegam mais cedo no terminal para conseguir embarcar nos ônibus, por medo de não conseguirem chegar a tempo no serviço. Dizem que retiraram vários ônibus de circulação, atrapalhando assim a movimentação das pessoas. “Eu vim mais cedo por não conseguir chegar a tempo no serviço. Diminuiu o horário e tiraram os ônibus. Não adianta. Precisa colocar mais ônibus”, reclamou uma passageira. 

Imagens feitas também no Terminal Praça da Bíblia, na manhã de ontem, 5, mostraram o mesmo problema. Na expedição, a equipe de reportagem alegou que não houve fiscalização durante o período de pico. Usuários também relataram que muitas pessoas estão viajando em pé nos ônibus, o que está proibido pelo decreto estadual. “Eu acho que devia ter era colocar mais ônibus para rodar. Embarque prioritário qualquer um pode fazer”, relatou uma passageira. 

O Diário de Aparecida entrou em contato com a Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), que informou à nossa reportagem que o período das 6h às 7h30 da manhã é voltado ao trabalhador essencial e deve ser respeitado como medida sanitária. Muitos usuários têm entrado no sistema RMTC [Rede Metropolitana de Transporte Coletivo de Goiânia] antes das 6h para estar em deslocamento. 

Segundo o comunicado do Consórcio RedeMob, no mesmo horário de rush desta segunda-feira, 5, Goiânia acompanhou o recuo no fluxo de usuários no sistema em 31%. E ratificou ainda que a CMTC conta com a colaboração dos empregadores para que o reordenamento de horário seja seguido de maneira correta, em atendimento às medidas de controle e não propagação da Covid-19.

Bloqueio em horários de pico visa reduzir a disseminação do novo coronavírus na Região Metropolitana

Para evitar aglomerações no transporte coletivo e conter o avanço da Covid-19, o Governo de Goiás, em parceria com o Consórcio RedeMob e a CMTC, altera o horário do embarque prioritário durante o pico. Desde o dia 1º de abril, em vez de funcionar das 5h45 às 7h15, o acesso prioritário de trabalhadores dos serviços essenciais começará às 6h e seguirá até 7h30.

A adequação, feita a pedido da Secretaria-Geral da Governadoria (SGG), se deve à avaliação realizada durante a primeira semana de implantação do Embarque Prioritário Emergencial. Pela análise, foi possível perceber um aumento no fluxo de passageiros logo após o fim da restrição de embarque. “A partir da observação que fizemos nesses dez dias, vimos que deslocando 15 minutos é possível fazer uma distribuição ainda melhor, de forma a reduzir a aglomeração das 7h15 às 7h30”, disse o titular da SGG, Adriano da Rocha Lima.

Desde o dia 31 de março outra medida que passou a valer foi a análise dos cadastros feitos no site da RMTC. Os usuários que apresentaram apenas a justificativa no formulário, sem anexar nenhum documento que comprove a atividade essencial, têm o prazo de 48 horas para comprovar o vínculo. Caso contrário, o cadastro será bloqueado.

“Em um primeiro momento, permitimos que os trabalhadores que não tivessem algum documento comprovando o vínculo com a atividade essencial pudessem apenas se justificar. Mas houve um excesso de justificativas e, quando fomos verificar, constatamos que muitas dessas justificativas não tinham relação com serviços essenciais”, explicou Adriano.

Com o objetivo de avançar ainda mais e reduzir a propagação do vírus, outras ações foram implantadas nessa nova fase. Os usuários diagnosticados com Covid-19 ficarão com o cartão bloqueado por 15 dias. Já as pessoas que tomaram a segunda dose da vacina estarão livres, 15 dias após serem imunizadas, para circular em qualquer horário.

Isso será feito de forma automática, por meio do cruzamento de dados. “É a tecnologia, mais uma vez, a serviço do poder público e do controle da pandemia, reforçando a prevenção e salvando vidas”, afirmou o secretário. 

O Governo de Goiás também publicou um decreto que limita em 50% a capacidade máxima do transporte de passageiros. A regra tem como objetivo fazer com que todos possam trafegar confortavelmente, sem superlotação. A limitação também vale para o transporte coletivo intermunicipal de passageiros. A medida entrou em vigor a partir da sua publicação e vai valer durante o período de 14 dias de liberação das atividades econômicas. (E.M.)

Compartilhe este post: